G7 confirma que vai impor limite de preços ao petróleo russo

“Hoje confirmamos a nossa intenção política conjunta de finalizar e implementar uma proibição abrangente de serviços que permitam o transporte marítimo de petróleo bruto e produtos petrolíferos de origem russa a nível mundial”, foi anunciado num comunicado emitido esta tarde.

Os ministros das Finanças do G7 vão mesmo avançar com a imposição de um limite de preços ao petróleo russo, de forma a reduzir as receitas da guerra russa na Ucrânia, prevendo “trabalhar urgentemente na finalização e implementação” da medida, segundo o “The Guardian”.

“Hoje confirmamos a nossa intenção política conjunta de finalizar e implementar uma proibição abrangente de serviços que permitam o transporte marítimo de petróleo bruto e produtos petrolíferos de origem russa a nível mundial”, explicam num comunicado emitido esta tarde.

O preço máximo é “especificamente definido” para reduzir “a capacidade da Rússia de financiar a sua guerra, limitando simultaneamente o impacto da guerra da Rússia nos preços globais da energia, particularmente para os países de baixo e médio rendimento”, justificam os líderes na mesma nota.

A informação foi tornada pública após uma reunião virtual entre os governantes, que ainda não determinaram o nível do limite de preços por barril.

O ministro das Finanças britânico, Nadhim Zahawi, afirmou ontem, em Washington, que esperava que os ministros das finanças do G7 “tivessem uma declaração que permitisse avançar a um ritmo que ajudasse a cumprir este objetivo”.

Apesar da redução das exportações de petróleo russo, as receitas de Moscovo em junho subiram 700 milhões de dólares (699,98 milhões de euros) devido ao aumento dos preços decorrente da guerra na Ucrânia, de acordo com a Agência Internacional de Energia (AIE).

Em junho, os decisores políticos ocidentais concordaram em explorar um limite para limitar a quantidade de refinarias e comerciantes que podem pagar pelo crude russo.

Recomendadas

Salário mínimo deve ter em 2023 “adicional salarial” para compensar inflação

O Governo mantém o objetivo de aumentar o salário mínimo até aos 900 euros em 2026, propondo que em 2023 haja um “diferencial adicional” para compensar a inflação, segundo uma proposta que será apresentada hoje na Concertação Social.

Governo propõe atualização regular de escalões do IRS no âmbito do acordo de rendimentos

A proposta sobre o acordo de rendimentos, salários e competitividade que o Governo leva hoje para a Concertação Social prevê a atualização regular dos escalões de rendimento do IRS visando a neutralidade fiscal das atualizações salariais.

Administração Local com défice de 15 milhões de euros em 2021, o primeiro desde 2013

O relatório do CFP destaca a evolução acima do esperado da receita dos municípios que foi, ainda assim, insuficiente para compensar o acréscimo do lado da despesa. A falta de informação de nove municípios merece reparos da instituição, que pede mais esforços para cumprir com princípios de transparência.
Comentários