PremiumGalp não pagou mais de 270 milhões de contribuição extraordinária

Em 2018, apenas a REN e Endesa continuaram a pagar a CESE, depois de a EDP ter informado que não iria pagar o valor relativo a 2017 desta contribuição.

A Galp nunca pagou a CESE e acumula já contestações de liquidações da contribuição sobre contratos de gás e ativos de gás natural e petróleo na ordem dos 270 milhões de euros. A petrolífera tem vindo a contestar as liquidações da CESE, nomeadamente junto do fisco e do Tribunal Administrativo, não tendo pago os montantes entre 2015 e 2017, que representam provisões de 272 milhões de euros. Mas não se conhece ainda qualquer decisão sobre estas contestações.

Por sua vez, a REN – Redes Energéticas Nacionais, desde 2014, já pagou 25 milhões de euros por ano, num total de 125 milhões de euros, informou a empresa no início deste ano, após a divulgação do mais recente acórdão do Tribunal Constitucional (TC) que no início de janeiro decidiu que a CESE, que recai desde 2014 sobre as empresas do setor da energia, não é inconstitucional. Uma decisão que deita por terra as queixas apresentadas na justiça há três anos (em 2015) pela REN e que pode atingir a Galp, que contesta também a CESE, sendo a empresa que contesta o valor mais elevado porque nunca pagou esta contribuição.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Fitch: Crise energética e custo de financiamento conduzem a recessão na Europa Ocidental ainda este ano

A agência de rating estima que o crescimento real médio do PIB da região é de apenas 0,8% em 2023, significativamente abaixo dos 3,8% em 2022. “Acreditamos que a zona do euro entrará em recessão a partir do quatro trimestre de 2022”, acrescenta.

Circulação paga do Jornal Económico dispara 23% desde janeiro

A subida da circulação paga do Jornal Económico contraria a tendência do sector e deveu-se às assinaturas digitais, que tiveram um crescimento de 2,9%, mas também às vendas da edição impressa, que registaram um aumento de 19% face ao primeiro trimestre do ano. Este desempenho compara com a descida de 5,8% na circulação paga do líder de mercado, o “Jornal de Negócios”.

Governo alarga prazos de pagamento do IMI e do IUC para 2 de dezembro

“Não são devidos quaisquer juros ou penalidades associados a este alargamento dos prazos”, diz o Ministério das Finanças em comunicado. Em causa estão os “constrangimentos informáticos verificados temporariamente no Portal das Finanças na manhã de quarta-feira, 30 de novembro”. Prazo terminava ontem.
Comentários