Ganhos da Pharol e retalho invertem sentimento negativo do PSI 20

Índice nacional negoceia a somar 0,15% para 5.363,83 pontos, impulsionado pela Pharol e do setor do retalho.

Lucas Jackson/Reuters

O principal índice português segue a negociar em meio de sessão esta quarta-feira a negociar em terreno positivo, invertendo a tendência verificada durante a manhã. O PSI 20 negoceia a somar 0,15% para 5.363,83 pontos, impulsionado pela Pharol e do setor do retalho.

A destacar-se pela positiva estão os títulos da Pharol, que nos últimos dias registaram pesadas perdas na bolsa nacional. Paulo Rosa, trader da Gobulling – Banco da Carregosa, explica que a influenciar esta reversão da tendência de queda da Pharol está o pedido apresentado pelo Fundo Société Mondiale, um dos principais acionistas da Oi, para que a reunião com os credores seja adiada para a próxima semana. “O anúncio dá início a um compasso de espera, que está a influenciar positivamente o desempenho da cotada na bolsa”, nota Paulo Rosa. A cotada soma 3,49% para os 0,267 euros.

A contribuir para os ganhos do PSI 20 está também o setor do retalho. Paulo Rosa indica que a Sonae, líder do setor, está ainda a beneficiar da recomendação de compra de títulos dada pela casa de investimento JB Capital Markets. A empresa liderada por Paulo de Azevedo valoriza 1,87% para os 1,149 euros. Já a Jerónimo Martins soma 1,23% para os 16,045 euros.

Em alta estão também os títulos da EDP (0,25%), a Altri (0,13%) e a REN (0,54%).

Em sentido contrário, Paulo Rosa destaca a queda dos CTT. Os investidores aguardam com expectativa um novo plano de reestruturação da empresa e a possibilidade de esta volta à esfera do Estado, afirma. A cotada cai 1,83% para os 3,269 euros.

A cair estão também os títulos da Galp Energia, que perde 0,10% para os 15,645 euros, e a EDP Renováveis, que recua 0,22% para os 6,671 euros. Há ainda a referir as quedas da Semapa (-0,37%), Navigator (-0,37%), BCP (-0,19%) e Corticeira Amorim (-0,92%).

Nas restantes praças europeias, o francês CAC 40 recua 0,18%, o italiano FTSE MIB desvaloriza 0,40%, o holandês AEX resvala 0,03% e o espanhol IBEX 35 desliza 0,01%. Em sentido contrário, o alemão DAX soma 0,09% e o britânico FTSE 100 sobe 0,26%.

Paulo Rosa indica que os investidores aguardam com expectativa os resultados da produção industrial nos Estados Unidos, que deve ser conhecida pouco antes da abertura das bolsas de Wall Street.

O trader da Gobulling – Banco da Carregosa chama ainda à atenção para a Triple Witching Friday, que acontece habitualmente na terceira sexta-feira de cada trimestre (março, junho, setembro e dezembro) e caracteriza por marcar o prazo final para a compra de ações de futuros e contratos de opções. “Este acontecimento pode refletir a um aumento da volatilidade do mercado, dado que se regista uma compra em massa deste tipo de títulos”, explica.

No mercado petrolífero, o brent sobe 0,27% para os 63,48 dólares por barril e o crude WTI valoriza 0,51% para os 57,33 dólares.

No mercado cambial, o euro avança 0,12%, para 1,179 dólares, e a libra recua 0,71% para 1,333 dólares.

Recomendadas

Bolsa de Lisboa abre a cair 0,52%

No resto da Europa, as subidas foram mais expressivas, com os investidores à espera de medidas de política monetária menos agressivas nas próximas reuniões dos bancos centrais.

Wall Street fecha eufórica com vislumbre do abrandamento da subida das taxas da Fed

Nasdaq foi o índice estrela de Wall Street. A justificar a subida das ações está a descida do ISM dos EUA para mínimos de mais de dois anos, que reforçou a narrativa de que a Fed está a ter sucesso no arrefecimento da economia, pelo que poderá abrandar o aperto da política monetária.

Musk avança para a compra do Twitter e ações disparam 22%

O CEO da Tesla, Elon Musk, voltou atrás na negociação e concordou em comprar o Twitter pelo preço original acordado de 44 mil milhões de dólares. As negociações da tecnológica na bolsa norte-americana foram interrompidas aquando do anúncio e retomaram a valorizar 22%.
Comentários