Ganhos de Nova Iorque ainda se sentem em Lisboa e na Europa

O PSI 20 segue no ‘verde com uma subida ligeira de 0,63%, para 4.616,53 pontos. O petróleo está a subir 2%.

A bolsa portuguesa mantém-se na sessão desta sexta-feira, dia 28 de dezembro, em terreno positivo, acompanhamento a trajetória ascendente dos mercados financeiros europeus, que ainda sentem os bons ventos das praças de Nova Iorque. O principal índice português, PSI 20, registava uma subida ligeira de 0,63%, para 4.616,53 pontos, por volta das 09:00 desta manhã.

“A suportar está o desempenho de Wall Street ontem, que depois de estar a negociar com perdas em torno dos 2%, fechou no verde. Segundo a ‘Bloomberg‘, o S&P 500 apresentou o maior rebound desde 2010, tendo subido quase 4% desde os mínimos da sessão. O índice Dow Jones subiu 800 pontos em menos de duas horas. Quanto ao shutdown nos Estados Unidos, continuará a ser tema na entrada para 2019, já que não há sinais de progresso. O flow empresarial é fraco, típico desta época”, refere Ramiro Loureiro, trader do Millennium bcp, num research de mercado.

“Em termos de indicadores económicos, a confiança dos consumidores norte-americanos em dezembro desceu para o mínimo dos últimos 5 meses, perante a deterioração das expectativas. O respetivo índice medido pelo ‘Conference Board’ caiu dos 136.4 para os 128.1, comparativamente às estimativas de 133.5”, concluíram, por sua vez, os analistas do CaixaBank/BPI Research, no habitual Diário de Bolsa.

No retalho – que está também no foco dos investidores, perante serem hoje publicadas as vendas a retalho em novembro e a produção industrial –, o sentimento é misto. A Sonae avança 1,34% (para 0,79 euros), enquanto a empresa do mesmo grupo Sonae Capital recua 0,12% e a Jerónimo Martins perde 0,30%.

A ‘verde’ está o setor energético, com a EDP – Energias de Portugal, a REN – Redes Energéticas Nacionais e a Galp Energia, que somam 1,10%, 0,29% e 0,93%, respetivamente. Só desanima a EDP Renováveis, que desliza 0,40%. As empresas da pasta e do papel Altri (+1,28%) e Navigator (+2,13%) estão com subidas mais significativas, mas são os títulos da construtora Mota-Engil que lideram os ganhos da praça lisboeta, ao somar 3,72% (para 1,56 euros). O BCP sobe 0,50% (para 0,22 euros).

Além da Jerónimo Martins, da Sonae Capital e da EDP Renováveis estão em contraciclo a Pharol (-0,84%) e a Ibersol (-1,99%).

Na Europa, o índice alemão DAX sobe 1,50%, o britânico FTSE 100 soma 1,39%, o francês CAC 40 valoriza 1,32%, o italiano FTSE MIB sobe 1,19%, o espanhol IBEX 35 cresce 1,20% e o holandês AEX avança 1,06%. O Euro Stoxx sobe 1,30%.

A cotação do barril de Brent sobe 2,03%, para 53,80 dólares, enquanto a cotação do crude WTI avança 2,73%, para 45,83 dólares por barril. Quanto ao mercado cambial, nota para a apreciação de 0,10% do euro face ao dólar (1,1441) e para a desvalorização de 0,04% da libra perante a divisa dos Estados Unidos (1,2639).

Relacionadas

Wall Street recupera e deixa os ‘ursos’ um pouco mais longe

O S&P 500 subiu 0,90%, para 2.489,88 pontos; o tecnológico Nasdaq valorizou 0,41%, para 6.288,30 pontos; e o industrial Dow Jones subiu 1,13%, para 23.136,53 pontos.

Praças europeias em terreno negativo com PSI-20 a entrar em “bear market”

A incerteza em torno da conjuntura mundial continua a penalizar o sentimento dos investidores. Em causa, está o shutdown parcial do governo norte-americano, o ceticismo em relação ao desfecho das negociações comerciais entre os EUA e a China, e também o arrefecimento da economia mundial.
Recomendadas

Wall Street fecha instável em face da provável recessão

A indefinição está a marcar a economia interna dos Estados Unidos. sabe-se que haverá uma recessão, mas os seus contornos em termos de profundidade e duração não são claros. E o mercado mobiliário parece não gostar disso.

Há quem queira fugir à regulação do mercado criptoativo, alerta responsável europeia

A regulação deverá chegar no espaço de um ano, diz a comissária europeia para os serviços financeiros. Mas há ‘players’ do mercado que escolhem deliberadamente jogar contra as regras, avisa. A abordagem deve ser “global”.

Lagarde e o ‘whatever it takes’ para controlar a inflação. Ouça o podcast “Mercados em Ação”

No “Mercados em Ação”, podcast do JE, vai poder contar com a análise de especialistas em temas como ações e obrigações; investimento e poupança; BCE e FED; resultados e empresas; análises e gráficos.
Comentários