Gazprom suspende fornecimento de gás à Letónia

A Rússia continua a pressionar a Europa através do corte de fornecimento de gás natural. Desta vez é a Letónia a começar a sentir o frio do inverno nas proximidades.

Gazprom (43.23 mil milhões)​

A Gazprom suspendeu o fornecimento de gás natural à Letónia, tal como havia feito anteriormente a vários países da Europa Central e do Leste. Desta forma, o governo de Moscovo – que em ´´ultima análise manda na companhia energética – tenta aumentar a pressão sobre os países europeus que em larga escala dependem dos fornecimentos russos.

À medida que o inverno se vai aproximando, a Rússia tem insistido na limitação dos fornecimentos de gás, como forma de retaliação sobre as sanções impostas pela União Europeia.

No caso dos países do Báltico, o problema agrava-se ainda mais por causa da pressão que o enclave de Kaliningrado exerce sobre as relações dos três países com a Rússia – Estado que integraram por várias décadas.

O lado europeu têm-se multiplicado na procura de alternativas, mas os esforços de vários países ‘esbarram’ sempre no mesmo problema: a logística. É que o gás russo chega à Europa por via dos diversos gasodutos que foram construídos ao longo dos anos. Mas não há uma rede de gasodutos a ligar nenhuma outra região do mundo.

Neste particular – e numa altura em que ninguém antevia o fim da paz na Europa – a União Europeia ainda esboçou a tentativa de construir uma infraestrutura do género entre os 27 (possivelmente na Grécia) e Israel, depois de o Estado hebraico ter descoberto importantes reservas no Mediterrâneo Ocidental. Mas, o custo da construção e a pouca pressão de mercado implicaram que o plano fosse metido na gaveta.

Agora, há quem defenda na União que esse plano deve ser rapidamente recuperado. Mas os custos só aumentaram e ainda não há nada de definitivo sobre a matéria. Enquanto isso, o gás viaja demorada e custosamente pelos oceanos dentro de recipientes próprios instalados em barcos.

Sabendo destas dificuldades, a Rússia usa cada vez mais as torneiras do gás como um instrumento de guerra – o que era de esperar: afinal, o gás é russo e as dificuldades dos seus clientes são outra coisa.

Entretanto, a meta de redução do consumo de gás em 15% até à primavera, acordada esta semana pelos Estados-membros da União Europeia, “só se tornará vinculativa se a situação se deteriorar e se a Rússia fechar a torneira completamente”, diz é a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, em entrevista ao Diário de Notícias.

Na entrevista, a presidente da Comissão Europeia descreve a meta acordada pelos países da UE como “um avanço positivo” e “um passo decisivo para fazer face à ameaça de Putin de um corte total no fornecimento de gás”. E insiste: “Só no caso de um corte total do gás russo e de uma grave deterioração da situação é que a meta se tornaria vinculativa, com base numa decisão conjunta dos Estados-membros“.

Recomendadas

Situação em Zaporizhzhia atingiu ponto “muito alarmante”, alerta diretor da Agência Internacional de Energia Atómica

A fábrica tem estado sob o controlo das tropas de Moscovo desde março, tendo sido mantida em funcionamento desde então por funcionários ucranianos.

Aviões militares russos cruzaram zona de defesa aérea do Alaska pelo menos três vezes esta semana

O caso mais recente ocorreu entre segunda e quarta-feira, revelou o Comando de Defesa do Espaço Aéreo Norte-Americano.

Ex-chanceler alemão processa parlamento depois de perder privilégios por ligação a Putin (com áudio)

De acordo com a lei alemã, os ex-chancelers têm direito a um cargo e a pessoal financiado pelo Estado mesmo depois de terminarem o seu mandato, mas os deputados votaram pela cessão dos seus privilégios quando Schroeder se recusou a cortar laços com Putin após a invasão da Ucrânia.
Comentários