Generali adere ao Compromisso de Paris

A seguradora Generali, parceira da COP21, anunciou que está a adotar medidas para melhorar a sua pegada ecológica e também a dos clientes.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A seguradora assinou o “Paris Pledge for Action”, ou Compromisso de Paris, que tem como objetivo promover a adoção de políticas de combate às alterações climáticas.

Ao subscrever este compromisso, a Generali “demonstra o seu apoio ao Acordo Global sobre o Clima alcançado em Paris”, avança a seguradora em comunicad e “junta a sua voz a um sinal credível e coerente que advém da adoção de  um novo acordo global sobre o clima na COP21, em Paris, para limitar o aumento da temperatura do aquecimento global a menos de 2°C”.

A Generali vai “continuar a monitorar e reduzir os impactos diretos e a defender uma economia “abaixo de 2 graus” através dos seus produtos, serviços e investimentos”, explica em comunicado.

Atualmente a seguradora já está a disponibilizar serviços de consultoria para clientes empresariais e profissionais, através do programa de auditoria de desempenho Generali Performance Global, que visa apoiar os clientes em abordagens que podem reduzir a sua pegada de carbono com base em práticas orientadas para a vida sustentável.

A Generali está também a cooperar com uma equipa de investigadores para melhorar a modelagem de  riscos relacionados com o clima.

As alterações climáticas contribuem para o aumento dos desastres de origem natural o que, a montante, afeta o setor segurador, com o maior número de sinistros. Este contexto desafiante “exige que as seguradoras encontrem novas soluções para os seus clientes e formas de gerir os novos riscos e o desenvolvimento de políticas que promovam práticas mais respeitadoras do ambiente”.

OJE

Recomendadas

“Sector do turismo nunca terá uma recessão”, defende vice-presidente do BCP

O economista Augusto Mateus lembrou também que os Governos europeus financiaram quase toda a despesa pública relacionada com a crise pandémicas com a “criação monetária”. Já Jorge Rebelo de Almeida, presidente da Vila Galé, trouxe para o debate a necessidade de se promover a fusão das PME, para ganharem escala e massa crítica. Tudo na VI Cimeira do Turismo.

Comparadora de seguros HelloSafe recebe mais quatro milhões para expandir em Portugal

“Este financiamento irá apoiar a nossa ambição de nos tornarmos a plataforma internacional número um em Portugal para comparar produtos financeiros e de seguros”, diz Oleksiy Lysogub, cofundador da empresa canadiana. ‘Insurtech’ vai contratar 40 pessoas.

Costa Silva: Próximos anos não vão ser “cor-de-rosa” para a economia portuguesa

António Costa Silva, ministro da Economia, afirma que “não é com receitas do passado que vamos resolver os problemas”, defendendo que “para resolver os problemas de curto prazo, precisamos de uma visão de longo prazo”.