Gestão de patrimónios cai 5,6% para 6,1 mil milhões de euros no terceiro trimestre

“O investimento no mercado português diminuiu 5,6% neste trimestre e 18,4% face ao período homólogo, situando-se em 6.100,4 milhões de euros. A mesma tendência verificou-se noutros mercados, com exceção da Alemanha, Holanda, e os Estados Unidos”, refere a CMVM.

A Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) divulgou os indicadores trimestrais de gestão de ativos relativos ao 3º trimestre de 2022. Neles é revelado que a gestão individual de ativos caiu.

A gestão individual de ativos é o conjunto de valores que pertencem a um titular considerado individualmente. Também é designada como gestão de patrimónios ou gestão de carteiras por conta de outrem.

“O investimento no mercado português diminuiu 5,6% neste trimestre e 18,4% face ao período homólogo, situando-se em 6.100,4 milhões de euros. A mesma tendência verificou-se noutros mercados, com exceção da Alemanha, Holanda, e os Estados Unidos”, refere a CMVM.

Nesta atividade, o investimento em ações nacionais cresceu 6,2% face ao período homólogo, o que contrasta com a queda de 18,8% em dívida pública portuguesa.

Já na gestão coletiva de ativos, verifica-se que o número de fundos de investimento aumentou para 368 no terceiro trimestre, mais um do que no trimestre anterior.

Nos fundos de investimento mobiliário (OICVM) e nos Fundos de Investimento Alternativo (FIA) o montante investido em dívida pública nacional cresceu 11,2% no trimestre e 13,8% face ao período homólogo.

Já o valor investido em ações nacionais caiu 7,8% no trimestre, tendo crescido 69,7% face ao período homólogo.

Em contraste, nas ações estrangeiras houve um ligeiro aumento de 0,8% no trimestre, e de 9,7% face ao período homólogo, diz a CMVM.

A Alemanha foi aqui o principal mercado de destino dos investimentos (22,1%), o que representa um crescimento de 1,6% no trimestre e de 44,0% face ao período homólogo. Por sua vez, o investimento em Portugal caiu 1,2% no trimestre e cresceu 24,8% face ao período homólogo, para 4,8%.

A CMVM dá conta que o montante global colocado por fundos de investimento estrangeiros em Portugal caiu 4,0% no trimestre e 13,6% face ao período homólogo.

Em termos de quota de mercado a Caixa Gestão de Ativos, lidera a atividade de gestão de patrimónios ou gestão de carteiras por conta de outrem, com 24,7% do mercado, seguido do Santander AM com 15,6% e o BCP com 15%.

Na gestão de fundos de investimento e FIAs, a liderança continua a pertencer à Caixa com 35,7%. Em segundo surge a IM Gestão de Ativos e em 3º a BPI Gestão de Ativos.

Nos fundos de investimento imobiliário (FII) e fundos especiais de investimento imobiliário (FEII), a líder de mercado é a Square Asset Management, seguida da Interfundos e Caixa.

Nos Fundos de Gestão de Património Imobiliário (Fungepi) a liderança do mercado português cabe à GNB Real Estate (Novobanco).

Os bancos que mais comercializam fundos de investimento estrangeiros são o Abanca, o BCP e o Bankinter.

Recomendadas

Reserva Federal volta a ‘dar a mão’ a Wall Street

Tal como sucedeu na semana passada, a Fed teve de insistir na diminuição do ritmo da subida das taxas de juro para alavancar um dia que acabou por ser positivo. O mercado está a precisar da atenção do banco central.

Reserva Fedrela diz que aumento das taxas de juro pode desacelerar em dezembro

O presidente da Reserva-Feral norte-americana, Jerome Powell, considerou esta quarta-feira, ser provável que o aumento das taxas de juro possa desacelerar já em dezembro. Mas os valores vão permanecer altos.

Energia dá impulso à Bolsa de Lisboa. Europa fecha no verde em dia marcado pela inflação

O mercado esperava que a inflação do IPC na zona do euro desacelerasse de 10,6% em Outubro para 10,4% em Novembro (variação anual). A leitura real mostrou uma desaceleração para 10,0% num ano. Os juros soberanos sobem. As ações também.
Comentários