GfK escolhida para continuar a auditar audiências de televisão até 2026

A GfK continuará a monitorizar as audiências televisivas em Portugal, como já sucede desde 2012, depois de ganhar um concurso da CAEM ao qual compareceram quatro candidaturas. O diretor geral da empresa no país fala de “reconhecimento da qualidade do serviço prestado”.

A GfK foi novamente a escolhida pela Comissão de Análise de Estudos de Meios (CAEM) para tratar da medição de audiências televisivas em Portugal. Segundo um comunicado da empresa desta sexta-feira, o acordo para 2021 tem a validade de cinco anos, ou seja, até 2026.

A GfK mantém assim o papel que tem vindo a desempenhar desde 2012, tendo ganhado o concurso lançado em julho de 2019 pela CAEM. Este contou com quatro candidaturas, sendo a da GfK vista como a mais ajustada “à realidade tecnológica deste meio e ao contexto audiovisual”, como se lê no comunicado.

A GfK utiliza um sistema de audimetria televisiva assente em 1.100 lares, onde cada aparelho de televisão conta com um correspondente instrumento de medição que monitoriza os conteúdos visualizados.

“O resultado deste concurso revela o reconhecimento da qualidade do serviço prestado desde março de 2012, com elevados níveis de eficiência. Muito nos orgulha o voto de confiança da CAEM para este novo desafio, inserido num contexto cada vez mais digital”, afirma o diretor geral da empresa em Portugal, António Salvador.

Recomendadas

Fitch Rating antecipa ano desastroso para o sector imobiliário

Os países que preferiram as taxas variáveis e permitiram um forte aumento do preço das casas estão especialmente vulneráveis à inflação e à queda da procura. Portugal não faz parte do estudo, mas tem tudo para fazer parte do pior cenário.

Revolut nomeia Elisabet Girvent para responsável de vendas em Espanha e Portugal

O seu objetivo passa por continuar a expandir os serviços da Revolut Business na região. A Revolut Business é o serviço bancário empresarial da Revolut. Esta solução encontra-se em funcionamento desde 2017 e foi concebida para atender às necessidades de start-ups, PME familiares e grandes empresas tecnológicas.

Noção de mercados emergentes na banca está morta, diz Mckinsey. Ásia concentra crescimento

Os bancos na Ásia-Pacífico podem ganhar com uma perspectiva macroeconómica mais forte, enquanto que os bancos europeus enfrentam uma perspectiva mais sombria. “No caso de uma longa recessão, estimamos que a rendibilidade dos bancos a nível mundial possa cair para 7% até 2026 e para baixo dos 6% nos bancos europeus”, diz a Mckinsey.
Comentários