Gigantes do automóvel juntam-se para melhorar carregamentos de carros elétricos

BMW, Daimler, Porsche e Audi vão criar estações de carregamento “ultrarrápido” em mais de 400 locais em toda a Europa, a partir do próximo ano.

REUTERS / Mike Blake

As construtoras automóveis alemãs BMW, Daimler, Porsche e Audi e a norte-americana Ford anunciaram hoje a criação de uma empresa conjunta para criar até 2020 uma rede europeia de postos de carregamento rápido para veículos elétricos.

Em comunicado conjunto, os gigantes do setor automóvel afirmam que assinaram um memorando que prevê a construção a partir de 2017 de estações de carregamento “ultrarrápido” em mais de 400 locais em toda a Europa. A parceria constitui uma “cooperação sem precedentes entre fabricantes do sector automóvel para criar uma rede de carregamento para todas as marcas”.

“Queremos criar uma rede graças à qual os nossos clientes apenas precisem de uma pausa para café para recarregar os respetivos veículos”, explica no comunicado Rupert Stadler, patrão da Audi, uma marca que pertence como a Porsche ao grupo Volkswagen.

Os postos de recarregamento agora anunciados vão permitir a todos os veículos elétricos ou híbridos recarregáveis carregar as respetivas baterias, de qualquer marca, permitindo assim apoiar o crescimento de veículos elétricos no continente europeu, de acordo com o que foi divulgado nos meios de comunicação social.

Depois de um lapso de tempo em comparação com alguns concorrentes, os fabricantes alemães querem agora acelerar no sector dos veículos elétricos. Esta tecnologia ainda não é generalizada na Europa devido ao alto preço e gama limitada de veículos, atualmente, disponíveis e à infraestrutura de recarga insuficiente.

Recomendadas

Grupo Stellantis e DST Solar nas Agendas Mobilizadoras

A inovação verde para a indústria automóvel passa pelas Agendas Mobilizadoras. O ISQ&CTAG irá investir 6,2 milhões de euros.

TAAG recebe aviso de greve dos pilotos com início a 7 de outubro

O Sindicato de Pilotos de Linha Aérea (SPLA) decretou uma greve a partir de 7 de outubro, tendo já sido enviado o aviso de greve à TAAG – Linhas Aéreas de Angola na sexta-feira, anunciou este sábado a companhia aérea angolana.

Infraestruturas de Portugal registou lucro de 32,4 milhões no primeiro semestre

Este valor significa uma recuperação de 71,3 milhões de euros em comparação com os prejuízos de 38,9 milhões de euros verificados no mesmo período de 2021.
Comentários