Goldman Sachs angariou 3,25 mil milhões de euros para o seu programa de investimento imobiliário

O REIP vai investir em todo o mundo, mas focado em oportunidades que acrescentem valor ao seu portefólio imobiliário, e tem feito uma série de investimentos em setores como logística, edifícios residenciais e de escritórios.

A divisão de gestão de ativos da Goldman Sachs anunciou esta sexta-feira que angariou 3,5 mil milhões de dólares (3,25 mil milhões de euros) para o seu programa de Parceiros de Investimento Imobiliário (“REIP”, sigla em inglês) de um grupo diversificado de investidores institucionais com elevado património líquido.

O REIP vai investir em todo o mundo, mas vai focar-se em oportunidades que acrescentem valor ao seu portefólio imobiliário, e tem feito uma série de investimentos em setores como logística, edifícios residenciais e de escritórios.

Quem gere o REIP é a divisão de gestão de ativos de imobiliário da Goldman Sachs, uma das maiores plataformas imobiliárias a nível mundial, que conta com mais de 50 mil milhões de dólares (46,3 mil milhões de euros) em capital investido desde 2012 em toda a paleta de oportunidades, tanto no crédito como no capital próprio.

O co-diretor da divisão de gestão de ativos da Goldman Sachs, Julian Salisbury, diz que “este aumento de capital reflete a força, o histórico e a amplitude da nossa plataforma imobiliária global”. Continuou a dizer que “estamos focados em oferecer retornos consistentes e ajustados ao risco para os investidores e estamos gratos pelo seu apoio e parceria continuados.”

Recomendadas

Altri dá 25 ações da GreenVolt por cada 100 títulos e 24 cêntimos em dinheiro

A Altri fez uma retificação em baixa ao valor que pagará em numerário. “Adicionalmente à distribuição em espécie, serão distribuídos aos acionistas da Altri dividendos em numerário ilíquido por ação de 0,24 euros”, diz em comunicado.

Farminveste SGPS emite 3 milhões de obrigações convertíveis

Durante a operação, que termina a 1 de julho, serão emitidas para compra e/ou troca até três milhões de obrigações, com o custo unitário de cinco euros, sendo as mesmas remuneradas a um juro anual de 4,75%.

Acionistas da Novabase aprovam redução de capital para 33 milhões para cobrir prejuízos

Os acionistas da Novabase aprovaram a redução do capital da tecnológica de 54,6 milhões de euros para perto de 33 milhões de euros, para cobrir prejuízos e libertar excesso de capital, de acordo com um comunicado enviado ao mercado.
Comentários