Goldman Sachs ISG prevê recessão na zona euro em 2023

O ISG prevê que o BCE suba a taxa de juro diretora para os 3,5% (nos 2% atualmente).

An official holds a bag with the euro logo during a eurozone finance ministers meeting in Brussels, Belgium May 22, 2017. REUTERS/Francois Lenoir – RTX371AZ

O Goldman Sachs (GS) Investment Strategy Group (ISG) está pessimista sobre o desempenho da zona euro para 2023 e prevê uma ligeira recessão em 2023 (-0,3%), estando mais pessimista do que o consenso do mercado (-0,1%), e mais pessimista face a outra unidade do banco –  Global Investment Research – que prevê um crescimento de 0,6% este ano.

Num estudo, o ISG, sediado em Nova Iorque, recorda que a invasão russa da Ucrânia causou um “declínio abrupto no crescimento esperado para a zona euro no último ano” e que o disparo nos preços da energia “causaram uma queda abrupta nos rendimentos das famílias, mas também obrigaram a cortes na produção de indústrias intensivas de energia, o que afetou a produção”.

“Apesar de a economia ter se aguentado melhor do que temíamos, pensamos que a combinação dos ventos adversos provavelmente empurraram a zona euro para uma recessão nos meses finais de 2022. Esperamos uma relativamente ligeira contração económica”, pode-se ler no documento.

“Vários ventos adversos – incluindo fraca procura externa, preços elevados de energia e o apertar das condições financeiras – vão limitar o crescimento na segunda metade do ano”, destaca o GS.

“Enquanto este desacelerar na atividade económica – a par com o alívio de constrangimentos no abastecimento e alguma moderação nos preços da energia e alimentação – vai reduzir as pressões de preços, vemos algumas razões para que a inflação permaneça acima dos 2% este ano”, analisam os especialistas.

“Primeiro, o disparo nos preços da energia no último ano vai aumentar a inflação da energia e dos bens em 2023, dados os atrasos habituais. Em segundo, o euro mais fraco implica custos mais elevados para produtos importados. Por último, um mercado laboral ainda tight [com muita oferta e poucos trabalhadores disponíveis] aumenta a probabilidade de crescimento dos salários” o que vai impactar o preço dos serviços. Desta forma, prevê uma inflação nominal de 7% e uma subjacente de 4,2% em 2023.

O ISG prevê que o BCE suba a taxa de juro diretora para os 3,5% (2% atualmente) e que termine o programa de compra de ativos durante o primeiro semestre do ano.

E o BCE vai passar a cortar nas taxas de juro ainda este ano? O ISG considera este cenário “improvável”, apontando que não acredita que as taxas de juro continuem em níveis elevados durante muito tempo por os problemas nas cadeias de abastecimento serem o maior causador de inflação no euro.

“Claramente, os eventos do último ano revelaram vulnerabilidades no abastecimento de energia da zona euro, o que acrescenta muita incerteza às previsões económicas. A crise de energia pode até regressar no próximo inverno se o armazenamento de gás não for adequadamente reabastecida durante o verão e outono. Investimento significativo vai ser necessário para acelerar a transição energética da região, pois o falhanço em fazê-lo pode deixar a economia da zona euro permanentemente abaixo do caminho de crescimento pré-Covid”, conclui.

Noutro estudo divulgado na semana passada, da autoria do Goldman Sachs Global Investment Research, o banco está mais otimista para a zona euro, rejeitando uma recessão para este ano e prevendo um crescimento de 0,6%. A queda dos preços do gás natural, a inflação em queda acelerada este ano, a recuperação da atividade industrial e um mercado laboral forte são boas notícias para a zona euro. BCE deverá continuar a aumentar juros nas próximas reuniões, mas primeiro corte só no final de 2024, prevê o banco.

Relacionadas

Goldman Sachs afasta risco de recessão na zona euro e prevê crescimento de 0,6%

A queda dos preços do gás natural, a inflação em queda acelerada este ano, a recuperação da atividade industrial e um mercado laboral forte são boas notícias para a zona euro. BCE deverá continuar a aumentar juros nas próximas reuniões, mas primeiro corte só no final de 2024, prevê o banco.
Recomendadas

Dados do emprego nos EUA podem influenciar próxima reunião da Fed

A Oxford Economics estima que a Fed volte a aumentar as taxas de juro em 25 pontos base no próximo mês de março e que essa decisão já contemple os resultados do emprego nos EUA. A subida das taxas no mês de janeiro irá impedir novo aumento no próximo mês.

Embargo europeu a gasóleo russo chega este domingo (com áudio)

De acordo com dados da “Bloomberg”, Moscovo é o maior fornecedor de gasóleo à Europa sendo que os países da Europa ocidental recebem diariamente 600 mil barris deste produto refinado, metade do abastecimento que chega todos os dias ao “Velho Continente”.

JE Bom Dia. BPI apresenta resultados referentes a 2022

Depois do Santander Portugal, esta sexta-feira é a vez de o BPI apresentar os seus resultados referentes a 2022. Lá fora, os EUA divulgam os dados mais recentes sobre o mercado laboral.
Comentários