Gonçalo Moura Martins defende que empresas portuguesas precisam de escala

O CEO da construtora falava num painel de empresários constituído por António Pires de Lima, CEO da Brisa, Jorge Rebelo de Almeida, presidente do Grupo Vila Galé, e Francisco Cary, administrador da Caixa Geral de Depósitos, sobre o atual contexto de crise.

O presidente executivo da Mota-Engil defendeu esta quarta-feira que “as empresas portuguesas precisam de escala”, durante o Encontro Fora da Caixa, organizado pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) em conjunto com o “Jornal de Negócios”, e que teve lugar na Escola Náutica Infante D. Henrique, em Oeiras.

O CEO da construtora falava num painel de empresários constituído por António Pires de Lima, CEO da Brisa, Jorge Rebelo de Almeida, presidente do Grupo Vila Galé, e Francisco Cary, administrador da CGD, sobre o atual contexto de crise.

O presidente da Mota-Engil foi ainda defensor que o “Estado invista em capital fixo, ou seja infraestruturas”. Isto porque “para haver procura tem de haver infraestruturas”, disse, citando o caso das obras de expansão do aeroporto Francisco Sá Carneiro (Porto), que pelo facto de se ter sido alvo de obras de expansão viu disparar a procura.

Já o presidente executivo da Brisa, António Pires de Lima, criticou a existência de uma cultura em Portugal “que não premeia a meritocracia”.

“Somos pouco meritocráticos, pelo menos no que toca às empresas”, disse António Pires de Lima que lamentou a falta de ambição.

“Porque é que não temos a ambição nas empresas que temos no desporto, porque não valorizar os bons com bons salários, como no desporto”, questionou António Pires de Lima.

Francisco Cary, administrador da CGD, por sua vez, falou do impacto da subida dos juros nas empresas. Tal como já tinha defendido Paulo Macedo, CEO do banco, Francisco Cary considera que “no cenário base” de subida de juros não é preocupante para as empresas, que na sua opinião, estão melhor preparadas e menos endividadas. Também os bancos estão mais bem preparados para acomodar uma potencial subida do crédito malparado, fruto da redução do rendimento disponível.

Jorge Rebelo de Almeida, presidente da Vila Galé, lembrou que o turismo é que tem segurado a economia em tempos de crise, e não deixou de criticar que as empresas estejam muito dependentes da máquina do Estado. O presidente da Vila Galé já se dá por contente se o Estado não criar dificuldades.

 

Relacionadas

Pires de Lima diz que existe em Portugal uma cultura “que não premeia a meritocracia”

O presidente da Brisa criticou esta quarta-feira a existência de uma cultura em Portugal “que não premeia a meritocracia” e sublinhou que as grandes empresas, “maltratadas do ponto de vista mediático”, são as que têm possibilidade de pagar maiores salários.

Paulo Macedo diz que subida dos juros no cenário base é acomodável mas acima disso pode ser incomportável

Resumindo, “a subida dos juros sim, se ficar nos 200 pontos base é acomodável, mas se a subida for para 400 pontos ou mais, vamos ter problemas”, disse Paulo Macedo referindo-se a um risco sério de subida do crédito malparado.
Recomendadas

Premium“Redudâncias” condicionam contabilistas

Num sector onde a digitalização acelerou nos últimos anos, os profissionais continuam a queixar-se de uma burocracia excessiva que os afasta das suas atividades nucleares. Atração e retenção de talento é outro dos principais desafios.

PremiumMira com investimento de 30 milhões para gestão da água

Compatibilizar valores e recursos naturais com o aproveitamento do potencial para a produção de hortofrutícola no Aproveitamento Hidroagrícola do Mira é o maior desafio da região, afirmou o secretário de Estado da Agricultura.

Odemira. Onde a água se transforma em alimentos

O final de julho foi palco de um conjunto de iniciativas organizadas pela Lusomorango – Organização de Produtores de Pequenos Frutos, com operação na região de Odemira, e o Centro de Estudos aplicados da Universidade Católica Portuguesa.
Comentários