Google vai despedir 12 mil trabalhadores

O CEO da empresa explicou que foram contratadas pessoas nos últimos dois anos para postos de trabalho que já não se justificam.

Os subornos da Google

A Google vai demitir 12 mil trabalhadores, tornando-se mais uma empresa de tecnologia a cortar empregos. Uma medida que surge na sequência de a tendência de crescimento acelerado, característica do período de pandemia, já não se notar nas contas da firma de Silicon Valley, segundo noticia a “AP News”.

O CEO da empresa, Sundar Pichai, deu a conhecer as notícias esta sexta-feira, através de um e-mail enviado a todo o staff. A informação foi também publicada no blog da Google.

De acordo com o responsável, a companhia contratou tendo em vista “períodos de crescimento crítico” durante os últimos dois anos, mas que essa era “uma realidade económica diferente da que se conhece hoje”.

Nos últimos dias, a Microsoft tomou uma decisão no mesmo sentido, dando a conhecer a informação de que vai despedir cerca de 10 mil trabalhadores. Uma decisão que a empresa explicou com recurso à conjuntura económica e a alterações nas prioridades dos clientes.

A Amazon, por seu turno, anunciou no início do mês a intenção de demitir mais 18 mil funcionários, derivado de um crescimento do volume de negócios mais lento do que o expectável, em consequência da inflação.

Recomendadas

Tesla dispara na bolsa depois de resultados recorde de 2022

Ao fecho das negociações em Wall Street, cada ação da Tesla estava avaliada em 177,90 dólares, mais 17,63 dólares do que no dia anterior. Isso fez com que a empresa encerrasse a semana numa valorização de 33% face à semana anterior
Supremo Tribunal de Justiça

Supremo Tribunal de Justiça alerta para campanha de ‘phishing’ que usa logótipo do STJ

De acordo com as boas práticas e de forma a não ser vítima de ‘phishing’, o STJ recomenda, assim, que os utilizadores de plataformas digitais nunca acedam a links ou anexos de emails que se vislumbrem desconhecidos ou suspeitos.

Flybe. Companhia aérea que foi liderada por CEO da TAP apresenta falência

Christine Ourmières-Widener esteve dois anos e sete meses na Flybe, saindo nove meses antes da low-cost britânica apresentar falência pela primeira vez, na mesma altura em que a pandemia fechou os espaços aéreos e aeroportos.
Comentários