GoParity aumenta investimentos com impacto ambiental e social para 10 milhões de euros

A empresa portuguesa de investimento em projetos de sustentabilidade pretende entrar em África em 2022 e alcançar os 38 mil utilizadores e um investimento total de 24 milhões de euros.

A startup portuguesa GoParity ultrapassou o marco dos 10 milhões de euros investidos em projetos sustentáveis, depois de um 2021 recordista em termos de empresas e pessoas envolvidas na plataforma e em capital. Se até ao final de 2020 o montante investido era de 3,8 milhões de euros, no ano passado saltou para quase o dobro, com mais 6,5 milhões de euros investidos.

O cofundador e diretor executivo justifica os números: “Uma comunidade de investidores que cada vez mais acredita e vê os frutos dos seus investimentos, uma equipa qualificada e – acredito – motivada, a maior diversidade de projetos e geografias e a entrada da Mustard Seed Maze e da Critical Software no capital da empresa”. “Este contexto global em que se tornou óbvio que não podemos continuar a estar no mundo da mesma forma é também um fator determinante do nosso crescimento”, afirma Nuno Brito Jorge.

Assim, a GoParity totaliza 142 projetos financiados em sectores como saúde, educação, agricultura, moda ecológica, mobilidade elétrica, energias renováveis, economia azul, ou aquicultura em países como Portugal, Espanha, Itália, Reino Unido, Lituânia, Brasil, Colômbia, Peru, Equador e Uganda. As iniciativas evitaram a emissão de 22,2 mil toneladas de dióxido de carbono por ano (o que equivale à capacidade absorção de 1 milhão de árvores) e criaram mais de 4.500 postos de trabalho (2.283 só em 2021).

Por detrás estiveram 18 mil organizações e cidadãos, mais do que os 9.146 utilizadores no primeiro ano da pandemia. “Pode ser explicado pela proximidade entre a comunidade e os projetos que procuram financiamento e pela transparência do tipo de investimento que oferecemos que permite que pessoas e empresas saibam onde foi investido o seu dinheiro e porque é que ele está a render”, esclarece o CEO, Nuno Brito Jorge, em comunicado divulgado esta terça-feira.

Dos 10,4 milhões de euros emprestados, mais de 2,8 milhões de euros já foram devolvidos aos investidores (com juros), face a 700 mil euros no ano anterior. Em 2022, a empresa com sede na Casa do Impacto pretende entrar em África e alcançar os 38 mil utilizadores e um investimento total de 24 milhões de euros.

Relacionadas

Como as empresas podem compensar a pegada de carbono. Veja a entrevista a Manuel Nina, CCO da GoParity, na Web Summit

Em plena Web Summit, a GoParity, plataforma de crowdlending para projetos sustentáveis, lançou uma nova ferramenta que pretende ajudar as empresas a compensar a sua pegada de carbono. Veja a entrevista de Mariana Bandeira, coordenadora do site do JE com Manuel Nina, co-fundador e CCO da GoParity
Recomendadas

PremiumContrato que prevê bónus milionário da CEO da TAP não é válido

JE revela contrato de Christine Ourmières-Widener: prevê exercício de funções até 2026 e bónus de até três milhões de euros. Mas não chegou a ser ratificado em AG da TAP.

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Contrato da CEO da TAP: “Não é só falta de retificação, é falta de aprovação”

O advogado Rogério Alves reagiu à notícia avançada pelo Jornal Económico. O contrato de Christine Ourmières-Widener com a TAP não só não foi retificado em AG como não foi aprovado. “Isto politicamente tem um custo”, diz.
Comentários