Governo aceita discutir manutenção da TAP em Portugal por 10 anos após venda

O Governo aceitou discutir com os sindicatos as condições para manter a TAP em Portugal por dez anos após a privatização da empresa, segundo o memorando assinado entre sindicatos e Executivo, que define os termos do acordo alcançado. O memorando assinado pelo Governo e pelos nove sindicatos da TAP que desconvocaram a greve prevista para […]

O Governo aceitou discutir com os sindicatos as condições para manter a TAP em Portugal por dez anos após a privatização da empresa, segundo o memorando assinado entre sindicatos e Executivo, que define os termos do acordo alcançado.

O memorando assinado pelo Governo e pelos nove sindicatos da TAP que desconvocaram a greve prevista para 27 a 30 de dezembro, a que a Lusa teve hoje acesso, o Executivo propôs a criação de um grupo de trabalho composto por elementos das duas partes, no âmbito do processo de privatização de até 66% da empresa.

Este grupo de trabalho visa “criar as condições para que o Grupo TAP aumente o seu impacto económico positivo em Portugal, através do acréscimo de fluxos turísticos, das receitas fiscais e da manutenção da sede e da base operacional do Grupo TAP no território português por um período não inferior a 10 anos após uma eventual alienação pelo Estado de parte ou da totalidade da sua participação no capital social” da empresa, lê-se no documento.

Além disso, estão também definidos compromissos de ambas as partes: o Governo “compromete-se a não aprovar e publicar até ao dia 13 de janeiro de 2015 o caderno de encargos do processo de reprivatização do Grupo TAP” e os sindicatos “comprometem-se a desconvocar imediatamente a greve prevista” para os dias 27 a 30 de dezembro.

Os sindicatos dos Economistas, dos Engenheiros, dos Contabilistas, das Indústrias Metalúrgicas e Afins, dos Técnicos de Manutenção de Aeronaves, dos Pilotos da Aviação Civil, dos Quadros da Aviação Comercial, dos Técnicos de Handling de Aeroportos e o Sindicato Nacional dos Engenheiros anunciaram hoje ao início da tarde a desconvocação do protesto.

Horas depois, o ministro da Economia, Pires de Lima, apelou aos outros três sindicatos que mantiveram o pré-aviso de greve para que adiram ao grupo de trabalho, acrescentando que “o único compromisso” que o Governo assumiu foi não publicar o caderno de encargos da privatização da TAP até 15 de janeiro, dia em que o Conselho de Ministros deverá aprovar o documento.

Além disso, o memorando define também quais os assuntos que serão discutidos nas negociações do grupo de trabalho, nomeadamente um “prazo adicional ao limite legal para a prevenção da denúncia unilateral pelo Grupo TAP de todos os acordos de empresa em vigor” em Portugal e a definição de “mecanismos de proteção do perímetro empresarial do Grupo TAP aplicáveis por um período não inferior a dez anos” após a venda.

Estes “mecanismos de proteção” têm como objetivo, segundo definido no memorando, prevenir a mudança da sede ou base operacional para o estrangeiro, bem como processos de despedimento coletivo e ‘lay-off’ e a subcontratação ou externalização ilimitadas das atividades do Grupo.

O grupo de trabalho agora constituído deverá também debater mecanismos que protejam as antiguidades no caso de haver uma fusão ou aquisição da empresa, a manutenção da atual capitalização dos instrumentos e veículos de financiamento das responsabilidades com pensões, complementos de reforma, prémios de jubilação, seguros de saúde e de vida.

Na mesa de negociações estará ainda a definição de “mecanismos de participação e envolvimento dos trabalhadores nas decisões estratégicas do Grupo TAP”, através do conselho consultivo ou órgão semelhante mas sem direito de veto, segundo o memorando.

OJE/Lusa

Recomendadas

OPEP retoma reuniões presenciais perante medo de recessão internacional

A OPEP+, o grupo integrado pelos membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e aliados, reúne-se quarta-feira pela primeira vez presencialmente desde março de 2020, num momento em que crescem os receios de uma recessão internacional.

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.