Governo acompanha evolução da OPA à PT “com interesse”, diz Pires de Lima

O ministro da Economia afirmou hoje que o Governo acompanha “com interesse” os desenvolvimentos que envolvem a PT, mas voltou a rejeitar qualquer interferência do Executivo neste âmbito. António Pires de Lima falava aos jornalistas à margem do 24.º congresso da Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações (APDC), que termina hoje em Lisboa. Quando […]

O ministro da Economia afirmou hoje que o Governo acompanha “com interesse” os desenvolvimentos que envolvem a PT, mas voltou a rejeitar qualquer interferência do Executivo neste âmbito.

António Pires de Lima falava aos jornalistas à margem do 24.º congresso da Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações (APDC), que termina hoje em Lisboa.

Quando questionado sobre a PT, Pires de Lima disse: “Já demos nota de que acompanhamos a evolução desse assunto com interesse no Governo, mas que não pretendemos interferir num processo”.

“Só se justificaria algum tipo de intervenção da parte do Estado se houvesse um risco de desmembramento” da PT, acrescenta o governante.

“Francamente, não nos parece que seja essa a circunstância”, conclui.

Em relação à oferta pública de aquisição (OPA) lançada pela empresária angolana Isabel dos Santos sobre a PT SGPS, Pires de Lima escusou-se a comentar.

“Limitamo-nos a desejar e pretender que qualquer processo que porventura tenha a PT como referência” seja “transparente e competitivo”, adianta.

“O Estado deve cada vez mais assumir-se na posição de regulador forte” e menos acionista, “não deve ser interveniente”, uma vez que “já temos algum histórico nesta matéria em anos e governos passados que deve recomendar bom senso daquilo que é o posicionamento do Governo nesta matéria”, acrescenta António Pires de Lima.

Na sua intervenção no congresso, o ministro da Economia tinha afirmado que “quem investe substancialmente numa empresa de telecomunicações investe porque valoriza muito essa empresa, caso contrário não investiria com essa dimensão, e porque ao valorizar essa empresa quer desenvolvê-la, apostar na capacidade de gerar valor” acrescentado e “também porque acredita no retorno de investimento para os seus acionistas”.

OJE/Lusa

Recomendadas

5 de outubro: Montenegro acusa Governo de degradar ambiente político com casos

Luís Montenegro falava aos jornalistas no final da cerimónia oficial das comemorações do 112.º aniversário da implantação da República em Portugal, na qual o Presidente da República falou dos governos que “tendem quase sempre a ver-se como eternos” e das oposições “quase sempre a exasperarem-se pela espera”, afirmando em seguida que “nada é eterno” e que “a democracia é por natureza o domínio da alternativa, própria ou alheia”.

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.

Itália. Governo Meloni deverá misturar técnicos e fiéis da líder

O próximo Governo de Itália, chefiado por Giorgia Meloni, deverá combinar figuras de renome técnico, em pastas cruciais para as relações com Bruxelas, e fiéis da futura primeira-ministra, segundo analistas ouvidos pela Lusa.