Governo admite atualizar medidas de combate à inflação

Mariana Vieira da Silva indicou, em declarações ao jornalistas, que o Governo espera ter fechado com Bruxelas o acordo de parceria do PT2030 até ao final de junho. Sobre a inflação, insiste que é um fenómeno temporário, mas admite que as medidas de respostas venham a ser ajustadas.

A ministra da Presidência garantiu esta quarta-feira que o Governo “está preparado para agir” em resposta à inflação e admitiu que as medidas em vigor venham a ser atualizadas. À saída de uma reunião da Comissão Permanente da Concertação Social, Mariana Vieira da Silva avançou também que o Governo conta ter o acordo de parceria do PT2030 fechado com Bruxelas até ao final de junho.

Em declarações aos jornalistas, em reação aos dados que indicam que a inflação ficou em 7,2% em abril, o valor mais alto dos últimos 29 anos, a responsável insistiu que se trata de uma fenómeno transitório e conjuntural. Ainda assim, assegurou a ministra, o Governo tem margem para ir ajustando as medidas de resposta que já colocou no terreno, de acordo com a avaliação que for sendo feita.

“Todas as instituições internacionais continuam a reafirmar o carácter transitório e conjuntural destes números. É esse acompanhamento que estamos a fazer”, afirmou a governante, garantindo que a avaliação está a ser feita de forma “permanente”, embora as medidas já em vigor tenham como horizonte, de modo geral, todo o trimestre.

“É preciso conhecer melhor este fenómeno e não tomar medidas precipitadas, que trariam apenas a ilusão do acompanhamento do poder de compra”, acrescentou.

Já sobre o acordo de parceria do PT2030, a ministra da Presidência explicou: “Contamos ter o acordo fechado durante o mês de junho com a Comissão Europeia e essa será a versão final. As primeiras submissões formais dos programas operacionais [deverão ser feitas] no início de junho, para que, depois, nos meses de setembro e outubro [esses documentos] também sejam negociados”.

Mariana Vieira da Silva adiantou também que o acordo de parceria foi enviado, tal como tinha prometido numa audição na Assembleia da República, aos grupos parlamentares, na semana passada. “Não é um documento fechado. É um documento que serviu de base ao início da negociação com a Comissão Europeia”, sublinhou a governante.

De notar que as linhas gerais do acordo de parceria do Portugal 2030 estiveram em discussão pública em novembro, não tendo sido dados passos adicionais pelo Governo desde então, uma vez que, entretanto, o país foi a eleições legislativas, depois de a proposta de Orçamento do Estado para 2022 ter sido chumbada.

Relacionadas

Inflação fixa-se em 7,2% em abril. É o valor mais elevado dos últimos 29 anos

A variação na energia cresceu para 26,7% em relação aos 19,8% verificados em março de 2022, sendo este o registo mais elevado desde maio de 1985, em 37 anos.

Calheiros quer reforço da Concertação Social. “Com maioria absoluta, não há necessidade de se andar a negociar o OE fora”

O Governo senta-se à mesa esta quarta-feira com os parceiros sociais para discutir o acordo sobre competitividade e rendimentos, a Agenda do Trabalho Digno e o acordo de parceria PT2030. À entrada, Francisco Calheiros apelou ao reforço da Concertação Social.

Governo e parceiros sociais discutem hoje mudanças à lei laboral e rendimentos (com áudio)

No que diz respeito à Agenda do Trabalho Digno, em causa está um pacote de alterações à lei laboral, que já passou pela Concertação Social na legislatura anterior, mas não mereceu “luz verde” nem da parte dos patrões, nem da parte dos representantes dos trabalhadores.
Recomendadas

Costa define metas. “É urgente reconhecer nexo” entre clima e oceano

Estas metas foram assumidas por António Costa no discurso que proferiu no primeiro dia da 2.ª Conferência dos Oceanos da Organização das Nações Unidas (ONU), coorganizada por Portugal e pelo Quénia, que decorre até sexta-feira na Altice Arena, em Lisboa.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Jornalistas denunciam obstáculos ao seu trabalho na Conferência dos Oceanos. Guterres não responde, Marcelo diz que vai verificar

Jornalista brasileiro denunciou em conferência de imprensa o tratamento dado à comunicação social no evento organizado pela ONU, e que o JE pode observar no local. Guterres rejeitou responder, mas Marcelo disse que vai verificar as condições.
Comentários