Governo ainda não aprovou contas da RTP relativas a 2016

O relatório teve ‘luz verde’ da administração da empresa a 31 de março. Falta o despacho do Ministério das Finanças.

O Governo ainda não aprovou o relatório e contas da Rádio e Televisão de Portugal (RTP) relativo a 2016, apurou o Correio da Manhã. Segundo a notícia veiculada pelo diário generalista, o atraso tem sido uma constante nos últimos anos.

Ainda que o relatório tenha sido aprovado pela administração da empresa a 31 de março, em assembleia geral, o documento ainda não teve a ‘luz verde’ do Executivo (através de despacho do Ministério das Finanças).

Até à hora de fecho desta última edição, publicada hoje, o gabinete de Mário Centeno não respondeu à questão colocada pelo CM sobre o motivo pelo qual o relatório ainda não foi aprovado.

O relatório e parecer do conselho fiscal que recomenda que a assembleia geral aprove as contas são datados de 13 de abril, de acordo com a mesma publicação.

Relacionadas

RTP: Trabalhadores com progressão automática a partir de janeiro

Os trabalhadores da RTP terão progressão automática nas carreiras a partir de janeiro, depois de a administração ter retirado a proposta de pagamento faseado entre 2018 e 2019, disse hoje à Lusa o presidente da empresa, Gonçalo Reis.

RTP gasta meio milhão de euros no aluguer de 47 automóveis

O contrato “de locação de bens móveis”, assinado com a empresa Finlog a 25 de outubro, estabeleceu o pagamento de 480.991,20 euros, mais IVA.
Recomendadas

El Corte Inglés contrata mais de 500 colaboradores para o Natal

“Para além deste período de Natal, há ainda possibilidade de permanecerem em contratos futuros, tal como tem acontecido em anos anteriores”, garante a empresa.

Bosch Industry Consulting abre escritório em Espanha

As operações da Bosch Industry Consulting em Espanha irão beneficiar da existência do centro de competências da Bosch em Aveiro.

EDP Brasil emite papel comercial no valor de 292 milhões de euros para amortizar dívida ao BNDES

O objetivo da emissão é realizar o pagamento antecipado da dívida com o Banco Nacional de Desenvolvimento Económico e Social – BNDES, no montante aproximado de 470 milhões de reais e distribuir o restante ao acionista, diz a empresa.
Comentários