Governo alemão a favor de embargo europeu ao petróleo russo

Berlim manifestou-se “claramente” a favor do embargo ao petróleo nas últimas negociações em Bruxelas.

Robert Habeck

O Governo alemão manifestou-se favorável a um embargo europeu às importações de petróleo russo, tendo ultrapassado a anterior relutância, segundo diplomatas europeus citados pelo canal público de comunicação social alemão ZDF.

Segundo as mesmas fontes, Berlim manifestou-se “claramente” a favor do embargo ao petróleo nas últimas negociações em Bruxelas, para a preparação de um sexto pacote de sanções contra Moscovo, devido à invasão russa da Ucrânia.

No entanto, o Governo alemão quer que o pacote de sanções inclua uma fase de transição para instituir o embargo petrolífero, cuja duração ainda não foi especificada, segundo a ZDF.

Até ao momento, a Alemanha era um dos países que se opunha à contenção das importações de petróleo, ao qual também se opõem Espanha, Itália, Grécia, Hungria, Áustria e Eslováquia.

Na terça-feira, o ministro alemão da Economia e Energia, Robert Habeck, já sinalizava uma possível mudança de rumo, ao indicar que, em oito semanas de guerra na Ucrânia, a Alemanha conseguiu reduzir bastante as suas importações de petróleo russo, que representavam originalmente 35%.

Atualmente, o valor está próximo dos 12%, indicou Habeck, que, acrescentou, ainda procura alternativas ao petróleo da Rússia.

A mensagem otimista do ministro, que assegurava que “em poucos dias” a Alemanha estaria em condições de se tornar independente do petróleo russo, gerou especulações sobre a iminência de um possível embargo por parte de Berlim.

Recomendadas

Ucrânia: Costa anuncia que Zelensky convidou Marcelo para visitar Kiev

O primeiro-ministro António Costa revelou que o chefe de Estado ucraniano, Volodymyr Zlensky, convidou o Presidente da República para realizar uma visita à Ucrânia em data ainda a acertar. Desde Timor-Leste, o Presidente apressou-se a dizer que irá.

Ucrânia: Biden aprova apoio de 40 mil milhões de dólares a Kiev

O financiamento destina-se a apoiar a Ucrânia até setembro e supera a medida de emergência anterior, que disponibilizou 13,6 mil milhões de dólares (12,9 mil milhões de euros).

Portugal enviou um milhão de euros em medicamentos à Ucrânia

Os medicamentos enviados foram doados por empresas do sector farmacêutico e também pelo ministério da Saúde. A carga inclui medicamentos oncológicos, antibióticos e preparações para injetáveis, entre outros produtos. 
Comentários