Governo alemão defende plano para flexibilizar regras de cidadania

O governo alemão delineou planos para reduzir de oito para cinco o número máximo de anos que uma pessoa deve esperar antes de se tornar cidadã.

Filipe Singer/EPA via Lusa

O governo da Alemanha apresentou, esta segunda-feira, um plano para tornar mais fácil para as pessoas solicitarem cidadania, segundo a “Reuters”. O governo defende que quer impulsionar a imigração e o treino para enfrentar a escassez de habilidades que pesa sobre a maior economia da Europa.

A ministra do Interior, Nancy Faeser, do Partido Social-Democrata (SPD) de Scholz, delineou planos para reduzir de oito para cinco o número máximo de anos que uma pessoa deve esperar antes de se tornar cidadã e suspender as restrições à dupla nacionalidade.

Os requisitos da língua alemã para a cidadania também devem ser facilitados para os membros da chamada geração “Gastarbeiter”, muitos deles turcos, que vieram para a Alemanha nas décadas de 1950 e 1960 como trabalhadores migrantes.

“Qualquer um que viva e trabalhe aqui numa base permanente também devem poder votar e ser eleito, devem fazer parte do nosso país com todos os direitos e deveres que o acompanham”, disse o chanceler Olaf Scholz num fórum sobre imigração. “E isso deve ser completamente independente de origem, cor de pele ou afiliação religiosa”, acrescentou.

Scholz disse ainda que a Alemanha introduziria um sistema de pontos de imigração “transparente e desburocratizado” para permitir que estrangeiros que tenham as qualificações certas para candidatarem-se a trabalhos.

O chanceler alemão defendeu permitir que os imigrantes tenham dupla cidadania, argumentando que “pertença e identidade não são um jogo de soma zero”.

O projeto de lei será discutido pelo gabinete na quarta-feira, disse Scholz, após ser apresentado aos legisladores no Bundestag.

 

 

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Farmácias europeias com falta de medicamentos. Antibióticos entre as maiores falhas de stock

Já são vários os países que sentem a falta de alguns medicamentos, nomeadamente de analgésicos e antibióticos.

Boris Johnson diz que Putin ameaçou Reino Unido com ataque de mísseis antes de invadir Ucrânia

O antigo primeiro-ministro britânico afirma duvidar da veracidade das ameaças de Putin, que o Kremlin se encarregou já de desmentir, e confirma ter dado garantias a Moscovo de que a Ucrânia não estaria prestes a aderir à NATO.
Comentários