Governo anuncia alteração ao regime de taxas moderadoras (com áudio)

Com a aprovação da medida passa a estar dispensada a cobrança de taxas moderadoras nos cuidados de saúde primários. Segundo Marta Temido a medida visa “orientar o fluxo de utentes na utilização do Serviço Nacional de Saúde e e por outro lado manter aquilo que se designa como controlo do risco moral, da utilização indevida de serviços”.

O Conselho de Ministros reuniu-se esta quinta-feira e entre as medidas aprovadas está a alteração ao regime de taxas moderadoras.

A medida foi anunciada pela ministra da Saúde, Marta Temido. “Tem vindo a ser realizado um processo de progressivo alargamento das situações de dispensa das taxas moderadas”, explicou Marta Temido, acrescentando que a medida tem duplo objetivo: orientar o fluxo de utentes na utilização do Serviço Nacional de Saúde e e por outro lado manter aquilo que se designa como controlo do risco moral, da utilização indevida de serviços”.

Nesta matéria, a governante também informou que a partir do próximo mês de junho serão apenas cobradas taxas moderadoras na circunstância de haver necessidade de utilização da urgência.

Com a aprovação da medida passa a estar dispensada a cobrança de taxas moderadoras nos cuidados de saúde primários.

Recomendadas

Jerónimo critica Governo por recusar aumentar salários e travar escalada de preços

“Em vez de agir e decidir para travar a escalada dos preços e promover o aumento dos salários e reformas, fica-se pela política das meias-tintas”, criticou Jerónimo de Sousa, referindo-se ao Governo de António Costa.

PremiumGoverno prepara ações para ter mais portugueses na Comissão Europeia

Representação portuguesa está um terço abaixo do que devia e pode cair ainda mais, com reformas. Governo elegeu esta como uma das prioridades da Secretaria de Estado dos Assuntos Europeus.

PremiumLei laboral arrisca sair da Concertação sem acordo

A Agenda do Trabalho Digno está de volta à Concertação Social, mas será difícil obter um resultado diferente do obtido no final de 2021, isto é, patrões e sindicatos deixam sinais de que o acordo não está à vista.
Comentários