Governo aprova 12 acordos com o sector social no valor de 187,3 milhões de euros

Acordo de cooperação destina-se a aplicar este valor na prestação de cuidados de saúde com entidades do sector social, nas Regiões de Saúde do Norte (10 acordos por cinco anos), do Centro (um acordo por três anos) e Lisboa e Vale do Tejo (um acordo por três anos).

Manuel de Almeida/Lusa

O Governo aprovou 12 acordos de cooperação com o sector social no valor de 187,3 milhões de euros, de acordo com um comunicado emitido esta segunda-feira, 27 de dezembro.

Este acordo de cooperação destina-se a aplicar este valor na prestação de cuidados de saúde com entidades do sector social, nas Regiões de Saúde do Norte (10 acordos por cinco anos), do Centro (um acordo por três anos) e Lisboa e Vale do Tejo (um acordo por três anos).

Esta ligação entre o Serviço Nacional de Saúde (SNS), as entidades do sector social, bem como dos restantes acordos celebrados com as Administrações Regionais de Saúde vão permitir “aumentar a capacidade de resposta às necessidades em saúde dos utentes do SNS abrangidos, designadamente, através do aumento do número global de consultas e cirurgias realizadas, e, no caso do Acordo com o Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão, do acesso a prestações especializadas de cuidados”, pode ler-se no documento.

O Governo considera por isso que estes acordos agora estabelecidos são uma garantia de acesso e ampliação da capacidade disponível para a “prestação de cuidados de saúde em proximidade, que o Ministério da Saúde e as suas instituições continuam empenhados em promover e garantir às populações”.

Recomendadas

Santana Lopes perspetiva ano económico “muito difícil” em 2023

Santana Lopes mencionou também o aumento “escandaloso” de quatro vezes a taxa base do custo da tarifa de tratamento dos resíduos sólidos urbanos a pagar à Empresa de Resíduos Sólidos Urbanos do Centro (ERSUC), cujo acionista base é privado.

Crise/inflação: Costa recusa razões para alarmismo sobre panorama dos créditos à habitação

António Costa procurou assegurar que o seu Governo está “atento” face ao impacto da subida dos juros nas prestações a pagar pelas famílias com créditos à habitação.

Costa espera privatização da TAP em 12 meses. Admite que Estado possa perder dinheiro

O primeiro-ministro disse hoje esperar que a privatização da TAP ocorra nos próximos doze meses, afirmando que “só se fosse irresponsável” é que garantiria que o Estado não irá perder dinheiro na transação, mas “espera que não”.
Comentários