Governo aprova Damasceno Dias para presidente da Cresap

A aprovação da resolução que designa o novo dirigente e três vogais permanentes surge depois da audição parlamentar que se realizou há duas semanas, a 19 de outubro, conforme estabelecem os estatutos da comissão.

O Governo aprovou esta quinta-feira, em Conselho de Ministros, a resolução que designa Damasceno Dias como presidente da Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública (Cresap).O diploma dá ainda ‘luz verde’ a três vogais permanentes: João de Salis Gomes, Maria Cristina Pimenta Coelho e Maria Eugénia de Almeida Santos.

A aprovação surge depois da audição parlamentar que se realizou há duas semanas, a 19 de outubro, conforme estabelecem os estatutos da Cresap. Nessa data, os quatro foram ouvidos na Comissão de Administração Pública, Modernização Administrativa, Descentralização e Poder Local, na Assembleia da República.

“Os vogais iniciam funções no dia seguinte à publicação da respetiva resolução, uma vez que os seus antecessores terminaram a comissão de serviço em março passado. Já o novo presidente, tendo sido pedida a aposentação pela atual titular do cargo a 1 de outubro, tomará posse logo que o processo esteja concluído e cesse funções”, explica o Executivo.

Damasceno Dias sucede a Maria Júlia Ladeira, que havia sido designada para o cargo de presidente da Cresap em março de 2017, quando ocupou o cargo então de João Bilhim.

Recomendadas

Bruxelas quer emitir 50 mil milhões de euros em obrigações para financiar NextGenerationEU

Bruxelas anunciou o programa de financiamento para entre julho e dezembro.

Bruxelas favorável a reprogramação de investimentos face aos preços

A Comissão Europeia respondeu hoje favoravelmente à solicitação de Portugal e outros Estados-membros para que os programas de investimentos dos Planos de Recuperação e Resiliência (PRR) possam ser reprogramados, face aos preços “anormalmente elevados”, revelou o primeiro-ministro.

DECO questiona porque Espanha reduz IVA para 5% e Portugal não

“O pagamento da fatura de eletricidade e gás tem um peso considerável no orçamento das famílias portuguesas, pelo que consideramos que a redução do IVA é uma medida adequada, necessária e urgente”, escreve a DECO.
Comentários