Governo aprova despesa de 15,3 milhões de euros para compra da vacina contra a gripe

A autorização da realização da despesa pelas cinco Administrações Regionais de Saúde (ARS) para a compra da vacina da gripe foi aprovada na quinta-feira na reunião de Conselho de Ministros.

O Governo aprovou uma verba de cerca de 15,3 milhões de euros para aquisição da vacina contra a gripe para a época 2022/2023, avançou à Lusa o Ministério da Saúde.

A autorização da realização da despesa pelas cinco Administrações Regionais de Saúde (ARS) para a compra da vacina da gripe foi aprovada na quinta-feira na reunião de Conselho de Ministros.

Questionado pela agência Lusa sobre o montante autorizado, o Ministério da Saúde adiantou que o valor total não pode exceder os 15.352,790,40 euros, a que acresce o IVA à taxa legal em vigor, mais 501 mil euros do que na época gripal de 2021/2022 (14 851 577,85 euros).

No Serviço Nacional de Saúde, a vacina é gratuita para cidadãos com idade igual ou superior a 65 anos, grávidas para pessoas residentes ou internadas em instituições, para pessoas com algumas doenças específicas, para profissionais de saúde do SNS e para os bombeiros.

Habitualmente, a gripe é curada espontaneamente, mas podem ocorrer complicações, particularmente em pessoas com doenças crónicas ou com 65 ou mais anos. Assim, a vacinação é a melhor prevenção, sobretudo para evitar a doença grave, segundo a Direção-Geral da Saúde.

Recomendadas

Madeira: Expo Pecuária regressa à Ponta Delgada este fim de semana

O evento, que se realiza este fim de semana, dias 25 e 26 de junho, vai já na sua sétima edição, tendo sido cancelado em 2020 e 2021 devido à pandemia por Covid-19.

Madeira recebe evento de agentes de viagem de luxo

O evento será realizado no Reid’s Palace, a Belmond Hotel, e conta com o patrocínio da Associação de Promoção da Madeira, do Savoy Palace, do DMC Madeira, do Reid’s Palace e da Quinta Jardins do Lago.

Madeira: JPP insiste na redução do IVA da eletricidade

“Sendo um bem essencial e indispensável para a nossa vida, não faz qualquer sentido que a eletricidade continue a ser taxada com a taxa intermédia, quando todos sabemos que a eletricidade é um bem essencial, e como tal, terá de ser taxada à taxa mínima”, frisou.
Comentários