Governo aprova programas de apoio à internacionalização da economia e ao investimento da diáspora

O Programa Internacionalizar 2030, estabelece as prioridades para a internacionalização da economia portuguesa e inclui medidas específicas para responder aos desafios resultantes da pandemia. Já o Programa Nacional de Apoio ao Investimento da Diáspora quer aumentar o investimento destas comunidades em Portugal.

Cristina Bernardo

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira o Programa Internacionalizar 2030, que tem como principal objectivo apoiar a internacionalização da economia portuguesa e que inclui medidas especificas para fazer face à crise provocada pela pandemia, assim como o Programa Nacional de Apoio ao Investimento da Diáspora (PNAID).

O Programa Internacionalizar 2030, estabelece as prioridades para a internacionalização da economia portuguesa, “através do aumento das exportações de bens e serviços e do incremento do número de exportadores, da diversificação de mercados de exportação, do aumento do volume de investimento direto estrangeiro (IDE), do fortalecimento do investimento direto português no estrangeiro (IDPE) e do acréscimo do valor acrescentado nacional (VAB)”, dá nota o comunicado do Conselho de Ministros, divulgado esta quinta-feira.

O programa que segue as linhas do Programa Internacionalizar centra-se em seis eixos: business and market intelligence; formação e qualificação dos recursos humanos e do território; financiamento; apoio no acesso aos mercados e ao investimento em Portugal; desenvolvimento da marca Portugal e política Comercial e custos de contexto.

“Dentro destes eixos estão ainda contempladas medidas específicas para responder aos desafios resultantes da pandemia da doença Covid-19”, refere o comunicado.

O Governo aprovou ainda o PNAID, que “pretende reforçar a ligação das comunidades portuguesas residentes no estrangeiro ao território nacional”. Tem como objetivos aproveitar o potencial das comunidades portuguesas residentes no estrangeiro para o apoio à internacionalização da economia portuguesa e estimular o investimento destas comunidades em Portugal.

Prevê assim “reforçar o apoio ao regresso de portugueses e lusodescendentes ao território nacional”, bem como “apoiar o investimento da Diáspora e, através da Diáspora, o investimento estrangeiro em Portugal”. Mas visa ainda “contribuir para a atração e fixação de pessoas e empresas nos territórios do Interior e para o seu desenvolvimento económico”, assim como “fazer das comunidades portuguesas residentes no estrangeiro um fator de promoção da internacionalização de Portugal e de diversificação de mercados dos diversos setores da economia portuguesa”.

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.
Comentários