Governo aprova regras para uso das ‘bodycams’ por parte dos polícias

O Governo aprovou hoje as regras que definem as situações em que os elementos da PSP e GNR podem usar câmaras portáteis nos uniformes, as chamadas ‘bodycams’, instrumento que permite proteger simultaneamente os polícias e os cidadãos.

“O Conselho de Ministros tomou uma importante decisão no que diz respeito à proteção dos agentes da autoridade democrática do Estado e, simultaneamente, de proteção dos cidadãos, trata-se das câmaras que são vulgarmente conhecidas por ‘bodycams’”, disse o ministro da Administração Interna, na conferência de imprensa após o Conselho de Ministros.

José Luís Carneiro precisou que tinha sido aprovada na Assembleia da República em 2021 uma nova lei da videovigilância e faltava regulamentar os termos em que as forças de segurança poderiam usar as ‘bodycams’.

“Foi hoje aprovado os termos em que poderão ser utilizadas, procurando salvaguardar dois valores fundamentais: o da transparência no uso legítimo da força por parte das forças policiais, na medida em que ao fazê-lo de forma transparente estão, não apenas a contribuir para aumentar os níveis de confiança nas forças de segurança, e por essa via garantem maior proteção relativamente a atos que atentem contra agentes da autoridade e, simultaneamente, dar proteção aos cidadãos relativamente ao uso dessa mesma força”, afirmou.

A utilização de ‘bodycams’ pelos elementos da polícia é uma das reivindicações dos elementos da PSP e da GNR.

Recomendadas

Castro Marim é mais uma vez Autarquia + Familiarmente Responsável

O Município liderado por Francisco Amaral, que foco um muito particular na educação e na saúde, prepara-se para avançar brevemente com um programa de financiamento para próteses dentárias.

BPI financia tecnologia que promove autonomia de pessoas com paralisia cerebral

App, acessível por smartphone, tablet ou computador, permite aos residentes emitir um pedido de assistência que assume a forma de alerta enviado aos colaboradores da instituição. Em 2022 foram lançados 4.590 pedidos de assistência.

“A educação não é serviço mínimo”. CGTP-IN e Bloco acusam Governo de pôr em causa direito à greve

Segundo a CGTP-IN, liderada por Isabel Camarinha, a decisão de impor serviços mínimos nas escolas, ontem decidida pelo Tribunal Arbitral, “é inédita” no nosso país e procura abrir um precedente para “pôr em causa o direito à greve”.
Comentários