Governo autoriza pagamento de 6,4 milhões de euros para acolher refugiados afegãos (com áudio)

O Governo diz que tomou esta decisão porque o Fundo para o Asilo, Migração e Integração (FAMI) “não permite, nesta fase, encontrar financiamento disponível para o grupo-alvo em questão”.

REUTERS/ALEXANDROS AVRAMIDIS

O Governo autorizou o pagamento de 6,4 milhões de euros ao Alto Comissariado para as Migrações (ACM) para despesas com a operação humanitária de acolhimento e integração dos cidadãos afegãos que Portugal tem vindo a receber.

De acordo com resolução de Conselho de Ministros, publicada esta sexta-feira em Diário da República, o Governo vai pagar 6,4 milhões de euros ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), incluindo essa verba como “contrapartida no saldo de receitas próprias de 2020”, para reforçar o agrupamento de transferências correntes.

Esta verba tem como destino o ACM “para pagamento dos encargos com a operacionalização da operação humanitária respeitante aos cidadãos afegãos em situação de risco pertencentes a comunidades e grupos vulneráveis”, tendo em conta que Portugal “prevê acolher, até ao final do ano de 2021, cerca de 800 pessoas”.

O Governo diz que tomou esta decisão porque o Fundo para o Asilo, Migração e Integração (FAMI) “não permite, nesta fase, encontrar financiamento disponível para o grupo-alvo em questão”.

Por outro lado, explica que, ao abrigo da orientação da Comissão Europeia, o mecanismo de apoio europeu para os refugiados afegãos terá de ser encontrado no âmbito do Quadro Financeiro Plurianual 2021-2027, sendo que o programa nacional do FAMI “deverá apenas ser aprovado no final do primeiro trimestre de 2022”.

“As transferências dos pré-financiamentos, devidos aos Estados-Membros, em sede do FAMI, deverão, assim, ocorrer, apenas, em meados de 2022, o que manifestamente suscita sérias dificuldades às entidades de acolhimento dos cidadãos afegãos que vêm sido acolhidos pelo Estado Português”, sublinha o Governo.

De acordo com a informação da resolução de Conselho de Ministros, será possível financiar a admissão humanitária dos refugiados afegãos com 6 mil euros por cada pessoa admitida no âmbito da admissão por motivos humanitários e com 8 mil euros por cada pessoa que pertença a um ou mais dos grupos vulneráveis, “com destaque para mulheres e crianças em risco, menores não acompanhados, entre outros”.

Não fica, no entanto, claro de que forma essa verba será distribuída pelos refugiados nem o período temporal pelo qual será dividida.

O Governo lembra que os acontecimentos que ocorreram em agosto no Afeganistão “representaram uma alteração político-estratégica que colocou em situação de risco um conjunto significativo de cidadãos do país” e que “em respeito pelos princípios aplicáveis em sede do direito humanitário, impõe-se à comunidade internacional prestar um apoio real e um acolhimento digno a estes cidadãos, esforço este que conta, por maioria de razão, com o empenhamento do Estado Português”.

A resolução de Conselho de Ministros diz ainda que para que a transferência da verba seja feita será assinado um protocolo entre o SEF e o ACM e que o Governo prevê posteriormente ser ressarcido deste valor através do FAMI.

Recomendadas

“Ameaça russa” leva países nórdico-bálticos a reerguer defesas da Guerra Fria

A “ameaça russa” está a levar os países da região nórdico-báltica a reconstruir infraestruturas de defesa que tinham sido abandonadas com o fim da Guerra Fria, reconhecem analistas.

Antigo PM britânico David Cameron defende que países pobres desenvolvam energias fósseis

O antigo primeiro-ministro britânico David Cameron acusou hoje em Londres de “hipocrisia” a comunidade internacional por estar a pressionar países em desenvolvimento a não investir em combustíveis fósseis devido às alterações climáticas.

Tribunal russo proíbe movimento de protesto Vesná declarando-o extremista

Um tribunal russo declarou hoje como organização extremista o movimento Vesná (‘Primavera’), que organizou protestos em todo o país contra a mobilização parcial para combater na Ucrânia, decretada em setembro passado pelo Presidente Vladimir Putin.
Comentários