Governo bloqueia licenças para novos projetos solares em Portugal

No total seriam quase 800 milhões de euros de investimento potencial nas novas centrais, que se concentram sobretudo no Algarve e Alentejo. Contudo, após a saída de Seguro Sanchez do Governo, o discurso mudou e as licenças para a construção de centrais fotovolotaicas, num total de 1, 5 mil megawatts, são agora um número excessivo.

Até 2021, deveriam nascer em Portugal 31 novas centrais solares fotovoltaicas, num total de mil megawatts de licenças que o Governo aprovou em regime de mercado, ou seja, sem dinheiro a tarifas subsidiadas. Esta promessa não concretizada feita pelo antigo secretário de Estado da Energia, Seguro Sanchez, foi relembrada na edição desta quarta feira do ”Jornal de Notícias” (JN).

No total seriam quase 800 milhões de euros de investimento potencial nas novas centrais, que se concentram sobretudo no Algarve e Alentejo. Contudo, após a saída de Seguro Sanchez do Governo e a entrada de João Galamba para a mesma posição, num espaço de seis meses o discurso do Governo mudou e as licenças para a construção de centrais fotovolotaicas, num total de 1,5 mil megawatts, são agora um número excessivo.

O sistema de licenciamento foi pensado para obter uma “licença depressa mas pouco pensado para começar a produzir depressa”, como disse o próprio ministro. Os trabalhos demoram a arrancar no terreno, os investimentos também tardam, e já foi mesmo ordenado um levantamento exaustivo e inspeção às licenças passadas. Contactada pelo ”Dinheiro Vivo”, a secretaria de Estado da Energia não respondeu às questões enviadas.

O objetivo passa por detetar eventuais situações de “especulação com licenças” nos projetos de energia solar. Ao ”Público”, o novo secretário de Estado admitiu mesmo “suspeitas sobre a seriedade das intenções em torno de algumas das novas licenças atribuídas”.

Recomendadas

Desafios tecnológicos, burocracia, renováveis e perda de água em debate

A transição energética em Portugal e na Europa esteve em debate na conferência do sexto aniversário do Jornal Económico.

Equinix cria fundo solidário de 50 milhões para promover a inclusão digital

A empresa de tecnologia norte-americana criou uma nova estrutura de apoio educativo. O conselho de administração da fundação irá, todos os anos, determinar o montante de doações da fundação, de modo a cobrir a concessão de contribuições ou a correspondência com as ofertas dos colaboradores.

Transição energética não pode ser feita sem as pessoas

Empresas do sector energético destacam a importância das pessoas nos seus projetos. A transição não pode ser feita sem o envolvimento das populações locais e sem a conversão de postos de trabalho.
Comentários