Governo britânico perde milhares de documentos oficiais da história do Reino Unido

Entre o material desaparecido figuram documentos sobre a Guerra das Malvinas ou sobre o conflito na Irlanda do Norte

Stefan Wermuth/REUTERS

Milhares de documentos oficiais do Governo britânico, alguns deles com informações sensíveis sobre episódios controversos da história do Reino Unido do século XX, desapareceram dos Arquivos Nacionais, noticia esta terça-feira o jornal The Guardian.

Segundo o diário britânico, entre o material desaparecido figuram documentos sobre a Guerra das Malvinas ou sobre o conflito na Irlanda do Norte.

O The Guardian salienta que os documentos foram levados dos Arquivos Nacionais por funcionários do executivo britânico para Whitehall (edifícios governamentais), dando, posteriormente, conta do desaparecimento.

Outra documentação que não foi possível recuperar, acrescenta o jornal, contem dados sobre o mandato colonial britânico da Palestina, provas da vacina contra a poliomielite ou sobre a disputa territorial mantida entre o Reino Unidos e a Argentina sobre as Malvinas (ou Falkland).

Nalguns casos, ninguém do Governo britânico sabe por que razão alguma documentação foi retirada dos Arquivos nacionais, como se perdeu ou mesmo se existem cópias.

Noutros casos, foram retirados documentos específicos de algumas pastas, sem que se saiba quais ou sobre que tema.

Segundo o jornal britânico, em 2015, vários funcionários do Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico (Foreign Office) tiraram um “pequeno número de documentos de um ficheiro” que armazenava informação sobre o assassínio, em 1978, do jornalista búlgaro dissidente Georgi Markov, morto a tiro quando atravessava a ponte de Waterloo, em Londres. Essa documentação foi “também foi extraviada”, salienta o The Guardian.

Questionado pelo jornal sobre o desaparecimento da documentação, o Foreign Office indicou ter conseguido recuperar a “maioria” dos documentos, devolvendo-os aos Arquivos Nacionais, admitindo, porém, que “ainda existem uns poucos” desaparecidos.

Segundo fontes dos Arquivos, alguns dos documentos estão dados como perdidos depois de terem sido “emprestados” a vários departamentos governamentais.

O The Guardian realça que o desaparecimento dos ficheiros põe a nu a facilidade com que os diferentes ministérios podem requisitar documentos oficiais sem que, depois, sejam devolvidos.

“Os Arquivos Nacionais enviam regularmente aos departamentos governamentais listas com os ficheiros disponibilizados”, disse ao The Guardian um porta-voz oficial da instituição, com sede no bairro de Kew, no sudoeste de Londres.

O porta-voz acrescentou que os Arquivos nacionais britânicos “pedem encarecidamente” aos ministérios que devolvam os documentos “com rapidez”, sem bem que estes não tenham nenhuma obrigação de o fazer.

Recomendadas

ONU em São Tomé elogia autoridades após ataque a quartel e pede que país seja “bom aluno”

Em entrevista à Lusa, Eric Overvest declarou que o escritório da ONU em São Tomé e Príncipe acompanhou, ao longo do dia, os acontecimentos, junto das autoridades, na sequência do assalto, por quatro homens, ao quartel militar, que o primeiro-ministro, Patrice Trovoada, classificou como “tentativa de golpe de Estado”.

PremiumJoe Biden arrisca teto para o preço do petróleo russo

A decisão não conseguiu consenso na União Europeia. Moscovo adverte que pode ser o primeiro passo para uma crise petrolífera sem precedentes. Com a Ucrânia às escuras e com frio, o Kremlin acha que a NATO já está a combater a Rússia.

Ex-ministro das Finanças do Luxemburgo vai liderar fundo de resgate da zona euro

Num comunicado hoje divulgado, o fundo de resgate do euro indica que “o Conselho de Governadores do Mecanismo Europeu de Estabilidade, que junta os 19 ministros das Finanças da moeda única, nomeou hoje o ex-ministro das finanças luxemburguês Pierre Gramegna para o cargo de diretor-executivo”, que ocupa a partir de 1 de dezembro.
Comentários