Governo britânico procura oportunidades económicas na visita do Presidente da África do Sul

O Governo britânico vai aproveitar a visita do Presidente da República da África do Sul, Cyril Ramaphosa, para aumentar os investimentos económicos em energia e infraestruturas naquele país nos próximos três anos. 

7 – Reino Unido

Segundo o gabinete do primeiro-ministro, Rishi Sunak, vai ser lançada na terça-feira a próxima fase da Parceria Reino Unido-África do Sul, abrindo um maior acesso às empresas britânicas a projetos no valor de até 5.370 milhões de libras (6.200 milhões de euros).

Londres vai também confirmar assistência técnica e financiamento para projetos de hidrogénio verde no país africano, incluindo na formação de mão-de-obra.

Os dois países também vão assinar uma nova parceria de educação para promover o ensino técnico e profissional, impulsionando o emprego de jovens em setores como a tecnologia verde e automóveis elétricos.

“A África do Sul já é o maior parceiro comercial do Reino Unido no continente, e temos planos ambiciosos de acelerar o investimento em infraestruturas e o crescimento económico em conjunto”, afirmou o primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, citado num comunicado.

Sunak disse querer discutir com o líder sul-africano como “capitalizar oportunidades comuns, desde o comércio e turismo até à segurança e defesa”.

Os dois países também vão lançar uma nova Parceria sobre Minerais para Futuras Tecnologias de Energia Limpa para promover uma exploração mais responsável, produção e processamento de minerais na África do Sul e Austral.

Os países africanos estão entre os principais produtores mundiais de minerais essenciais para a produção de hidrogénio e o fabrico de baterias de armazenamento de eletricidade.

Ramaphosa chegou hoje a Londres acompanhado pela mulher, Tshepo Motsepe, mas a visita de Estado ao Reino Unido de dois dias começa na terça-feira, com um discurso no parlamento britânico e um banquete de Estado no Palácio de Buckingham.

Esta será a primeira vez que o Rei Carlos III é anfitrião de um chefe de Estado estrangeiro desde que subiu ao trono em setembro após a morte da mãe, Isabel II, em 08 de setembro.

A anterior visita de Estado de um líder sul-africano foi a de Nelson Mandela em 1996, embora Ramaphosa tenha estado em Londres recentemente para o funeral da Rainha, em setembro.

Na quarta-feira, o Presidente sul-africano será recebido pelo primeiro-ministro britânico na residência oficial em Londres, em Downing Street, para uma reunião bilateral e almoço de trabalho.

A África do Sul é a segunda maior economia do continente e é o maior parceiro comercial do Reino Unido em África, com trocas comerciais no valor de 10.700 milhões de libras (12.323 milhões de euros euros) anuais.

A visita, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, James Cleverly, “é uma oportunidade fantástica para celebrar os nossos laços, mas também nos permite desencadear um maior crescimento, criar ainda mais oportunidades tanto para as empresas britânicas como sul-africanas, e promover ainda mais a transição da África do Sul para a energia verde”.

Ramaphosa realiza esta viagem ao estrangeiro numa altura em que é criticado no país devido à situação económica do país e na sombra de um escândalo que envolveu a descoberta de uma quantidade avultada de dinheiro numa das suas propriedades de luxo, levantando suspeitas de corrupção e lavagem de dinheiro.

Cyril Ramaphosa é acusado de esconder o roubo à polícia e o dinheiro das autoridades fiscais, de organizar o rapto e interrogatório dos ladrões, e de os subornar para se manterem calados, o que o chefe de Estado nega.

O líder de 69 anos procura renovar o mandato no Congresso Nacional Africano (ANC, na sigla em inglês), em dezembro, e se não vencer essa eleição interna, terá de sair da Presidência, seguindo o que aconteceu com Jacob Zuma e Thabo Mbeki, que perderam a confiança do partido e acabaram por renunciar ao cargo.

Recomendadas

Desflorestação na Amazónia cai pela primeira vez no Governo de Bolsonaro

A Amazónia brasileira perdeu 11.568 km2 de cobertura vegetal entre agosto de 2021 e julho de 2022, menos 11,3% que a devastada no ano anterior. É a primeira redução do desmatamento desde que Jair Bolsonaro chegou ao poder.

Israel: Netanyahu garante que vai manter a controlo sobre a extrema-direita

Primeiro-ministro designado insiste que os radicais com que formará governo não vão tomar o poder nas suas mãos. “Israel não será governado pelo Talmud”. A incógnita é o que acontecerá com o seu julgamento por corrupção.

Parlamento alemão define como genocídio a “grande fome” na Ucrânia

O parlamento alemão aprovou uma resolução que define de genocídio o ‘Holodomor´’, a “grande fome” que atingiu a Ucrânia em 1932-1933 e que terá vitimado mais de três milhões de ucranianos.
Comentários