Governo cabo-verdiano afasta problema de gestão nos aeroportos após rotura de combustíveis na Ilha do Sal

O ‘jet fuel’ afetou aviões que fizeram escala técnica na ilha no final da semana passada.

O Aeroporto Internacional Amílcar Cabral (AIAC), na Ilha do Sal, teve uma rotura de combustíveis que acabou por afetar os aviões que fazem escala técnica na ilha. O ministro cabo-verdiano dos Transportes, José Gonçalves, justificou que se tratou de uma rotura pontual que se deve a passagem de aviões de grande porte que escalaram a ilha do Sal, no final da Cimeira Ibero-Americana.

A falta de combustíveis (“jet fuel”) para os aviões causou problemas sobretudo aos aviões que procuram a ilha para reabastecimento. Sendo este aeroporto um ponto de escala no atlântico médio a rotura do ‘stock’ de combustível obrigou os aviões a fazer escala técnica em outros aeroportos nomeadamente de Canárias Senegal e Portugal.

Segundo o jornal “Santiago Magazine”, um avião Iliushin IL76, registo URCIV-OLIEG, esteve parado no Aeroporto Internacional Amílcar Cabral sem ser abastecido, sendo que a tripulação aguardou num hotel da ilha.

O ministro dos Transportes confirmou a rotura na sexta-feira e assinalou que as duas petrolíferas do país, Vivo Energy e a Enacol, estão a abastecer apenas as companhias aéreas com quem têm contrato, que são as operadoras nacionais e as que fazem voos charter de turismo para Cabo Verde.

José Gonçalves defende que a gestão feita pela ASA, empresa responsável dos aeroportos, não está em causa. O governante aponta que a rotura deve-se a uma procura “acima do normal” de combustíveis por parte de aviões de grande porte que fizeram escala técnica no Sal no âmbito da cimeira.

“O que sucedeu no Sal é que houve uma procura para além daquilo que era a capacidade normal de funcionamento. Isso só mostra que temos um mercado em crescimento e que há novas oportunidades de negócios que todas as partes estão a analisar. Cabo Verde está a transforma-se numa placa giratória no Atlântico médio obrigando as petrolíferas a terem um ‘stock’ superior ao que tinham no passado”, afirmou José Gonçalves.

O ministro dos Transportes diz ter a garantia da Vivo Energy e da Enacol de que o fornecimento iria ser normalizado e assegurou que “não há má gestão dos aeroportos por parte da ASA”.

“A ASA, entidade responsável dos aeroportos está a tratar com as petrolíferas para assegurar esta nova dinâmica no aeroporto do Sal”, disse José Gonçalves. “A rotura deve-se a uma situação pontual, houve um encontro de Chefes de Estado na América do Sul e as companhias que passaram pelo Sal pediram um volume de combustível muito superior àquilo que é normal”, explicou o ministro.

Recomendadas

CPLP e comunidade da África Central negoceiam cooperação política e de formação em português

A Comunidade Económica dos Estados da África Central e a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) discutiram hoje formas de cooperação no domínio político, desenvolvimento da língua portuguesa e comissões de observação eleitoral, referiram responsáveis das organizações.

Empresa aeronáutica prevê 6 milhões para começar a produzir aviões em Cabo Verde

“Venho elaborando este projeto já há dois anos, criei a empresa Aeronáutica Checo-Cabo-verdiana, empresa que irá produzir os aviões da Orlican e Air Craft Industries em Cabo Verde”, afirma Mónica Sofia Duarte.

TAP transportou quase metade dos 540 mil passageiros de e para Cabo Verde em 2021

Quase metade dos mais de 540 mil passageiros de voos internacionais de e para Cabo Verde em 2021 foram transportadas pela companhia portuguesa TAP, segundo dados da agência reguladora, compilados hoje pela Lusa.
Comentários