Governo conta operacionalizar no segundo semestre novo apoio ao regresso de desempregados ao trabalho

Novo apoio de regresso dos desempregados ao mercado de trabalho deve chegar ao terreno no segundo semestre, aponta ministra do Trabalho. Incentivo vai ser transferido diretamente para o trabalhador, esclareceu Ana Mendes Godinho.

O Governo conta que o novo apoio de regresso dos desempregados ao mercado de trabalho entre em vigor no segundo semestre do ano, indicou esta quarta-feira a ministra do Trabalho, à saída da reunião de uma Concertação Social. Ao abrigo desta medida, os desempregados de longa duração que aceitem um posto de trabalho poderão acumular até 65% do subsídio de desemprego, nos primeiros seis meses, sublinhou Ana Mendes Godinho, em declarações aos jornalistas.

Conforme já estava previsto no acordo de rendimentos e competitividade assinado em outubro pelos patrões, a UGT e o Governo, a ideia é que, quando regressam ao mercado de trabalho, as pessoas que estejam desempregadas há mais de 12 meses possam manter uma parte do subsídio de desemprego que estavam a receber, acumulando-a ao salário.

Já estava previsto que esse incentivo iria diminuindo em função do tempo de trabalho, mas não era certo em que medida. Esta quinta-feira, o Governo esclareceu essa dúvida e propôs aos parceiros sociais que, nos primeiros meses, o ex-desempregado possa manter 65% do subsídio de desemprego a par do ordenado, fatia que cairá para 45% nos seis meses seguintes e, depois, para 25%, até que o beneficiário perca o direito à prestação em causa.

“É um apoio excecional”, realçou a ministra do Trabalho, frisando que para a Segurança Social o impacto será tendencialmente neutro, uma vez que usará as verbas às quais recorreria, de todo o modo, para pagar o subsídio de desemprego. De notar que este apoio será transferido diretamente para o trabalhador, pelo que deverá estar isento de IRS, esclareceu Ana Mendes Godinho.

Já João Vieira Lopes, da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), alertou que haverá situações em que, por causa deste apoio, o trabalhador terá rendimentos superiores a colegas que já estavam empregados. Em resposta, a responsável pela pasta do Trabalho repetiu que está em causa uma medida para incentivar o regresso de desempregados de longa duração ao ativo, tratando de “forma especial” situações que são também elas particulares.

De resto, da parte dos parceiros sociais, Mário Mourão, da UGT, disse concordar com a medida, mas revelou que ainda tem questões por esclarecer, nomeadamente no que diz respeito à duração do incentivo. Também Eduardo Oliveira e Sousa, da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), mostrou-se favorável ao novo apoio, enquanto Ana Pires, da CGTP, defendeu que as verbas da Segurança Social não devem ser utilizadas para esse fim, sendo necessário, antes, valorizar os salários dos trabalhadores portugueses. “Mais uma vez, o Governo, em vez de apostar em medidas estruturais, cria uma medida pontual”, criticou a sindicalista.

Segunda Ana Mendes Godinho, a intenção do Governo é aprovar já este mês a regulamentação desta medida, que deverá entrar em vigor no segundo semestre.

Outro tema da reunião desta quarta-feira de Concertação Social foi o Fundo de Compensação do Trabalho, cujas verbas vão poder se retiradas pelas empresas, de forma faseada, também a partir do segundo semestre deste ano.

O Governo já tinha apresentado a sua proposta relativamente a essa mobilização e esclareceu esta tarde que os empregadores deixarão de ter de contribuir para o fundo em causa assim que a Agenda do Trabalho Digno entrar em vigor, o que deverá acontecer, segundo informações parlamentares recolhidas pelo Jornal Económico, em março.

Relacionadas

Desempregados de longa duração vão acumular salário com 65% do subsídio (com áudio)

À publicação, fonte do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social explicou que a percentagem inicial será mais elevada, num máximo de 65%, mas que será reduzida à medida que o tempo passa.

Abrandamento económico levará mais trabalhadores a aceitar empregos mal pagos

O relatório “World Employment and Social Outlook: Trends 2023” da Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgado hoje conclui que “a atual desaceleração económica mundial provavelmente forçará mais trabalhadores a aceitar empregos de baixa qualidade e mal pagos, que carecem de segurança no trabalho e proteção social, acentuando assim as desigualdades exacerbadas pela crise da covid-19”.
Recomendadas

JE Bom Dia. Fed deverá abrandar subida dos juros

Bom dia. Com a inflação a dar sinais de descida, o presidente da Fed, Jerome Powell, deverá anunciar uma subida mais contida dos juros. Em Wall Street, prossegue a época de resultados.

Revista de imprensa nacional: as notícias que estão a marcar esta quarta-feira

Pedro Nuno Santos prolonga suspensão do mandato; Fecho do ano traz otimismo mas famílias vão continuar a sofrer; Imposto fez baixar 38% a venda das bebidas mais açucaradas.

Ligações ferroviárias de Lisboa a Corunha e Madrid entre projetos apoiados pela UE

O executivo comunitário anunciou hoje que escolheu 10 projetos-piloto que apoiará para estabelecer novos serviços ferroviários ou melhorar os já existentes, apontando que, no seu conjunto, “irão melhorar as ligações ferroviárias transfronteiriças em toda a União Europeia, tornando-as mais rápidas, mais frequentes e mais acessíveis”.
Comentários