Governo cria nova linha de crédito de 600 milhões de euros para ajudar as empresas

As empresas vão ter à disposição uma linha de crédito de 600 milhões de euros face à crise energética, independentemente do setor em que se insiram. Instrumento vai ser operacionalizado pelo Banco de Fomento.

antónio_costa_silva_partex_4
Cristina Bernardo

O ministro da Economia, António Costa Silva, anunciou esta quinta-feira a criação de uma nova linha de crédito de 600 milhões de euros para ajudar as empresas a enfrentar a crise energética. Esta é uma das medidas do pacote a que o Governo deu o nome de “Energia para avançar”.

“Esta linha de crédito é de garantia mútua, tem o prazo de oito anos e carência de capital de 12 meses”, explicou o governante, em conferência de imprensa.

António Costa Silva indicou também que este instrumento estará à disposição de todos os setores, nomeadamente o comércio, os serviços e o turismo, além da indústria. “É para as empresas afetadas por perturbações quer nos preços da energia, quer nos preços das matérias-primas, quer nas cadeias de abastecimento”, detalhou o governante. “Os únicos limites são de financiamento em função da dimensão das empresas”, acrescentou o secretário de Estado da Economia, João Neves.

De acordo com Costa Silva, esta linha de crédito será operacionalizada pelo Banco de Fomento e o Governo espera que esteja no terreno a partir da segunda quinzena de outubro.

Já o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, salientou que esta linha “não tem que ver com as medidas de capitalização das empresa”, sendo destinada, antes, a situações de emergência.

Aos jornalistas, o ministro revelou, por outro lado, que para acelerar a transição e a eficiência energética será também lançada uma linha de 290 milhões de euros, dos quais 250 milhões irão para a indústria (através do IAPEMI) e 40 milhões para o setor agrícola. “Tivemos no passado empresas que aderiram a programas de descarbonização. Para essas, a fatura energética hoje é baixa. É absolutamente determinante para a competitividade”, sublinhou o responsável pela pasta da Economia.

No total, o pacote “Energia para avançar” custará 1,4 mil milhões de euros, adiantou ainda Costa Silva.

Notícia atualizada às 16h13

Relacionadas

Pacote para ajudar as empresas a enfrentarem a crise energética custa “mais de 1,4 mil milhões de euros”

Uma nova linha de crédito, um apoio à internacionalização, medidas fiscais e uma alternativa ao layoff. O pacote de apoios às empresas está aí e custará 1,4 mil milhões de euros.

“Layoff não é adequado à situação presente”. Governo lança programa de formação dos trabalhadores

Vem aí um novo programa de formação dos trabalhadores. É a alternativa adotada pelo Governo ao layoff. Segundo o secretário de Estado da Economia, a formação será dada nas horas que fiquem vazias face à flutuação dos preços da energia.

Governo suspende ISP e taxa de carbono sobre gás para eletricidade

Esta medida fiscal, avaliada em mais de 25 milhões de euros, tem execução imediata, anunciou hoje ministro da Economia e do Mar, numa conferência de imprensa, em Lisboa.
Recomendadas

Ministra sinaliza que trabalhadores que recebem salário mínimo não terão perda de poder de compra em 2023

Vem aí uma “negociação intensa”, antecipou a ministra do Trabalho, à saída da reunião em que apresentou aos parceiros sociais as propostas do Governo para o acordo de rendimentos. Entre elas, está a vontade que o salário mínimo suba mais do que a inflação.

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.
Comentários