Governo da Madeira congratula-se com suspensão de greve da marinha mercante

O secretário regional da Economia disse que o sindicato dos Capitães, Oficiais Pilotos, Comissários, e Engenheiros da Marinha Mercante mostrou-se sensível à dependência do abastecimento, por via marítima, das Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores.

O executivo madeirense mostrou-se satisfeito com a suspensão da greve, prevista para 6 e 7 de dezembro, anunciada pelo sindicato dos Capitães, Oficiais Pilotos, Comissários e Engenheiros da Marinha Mercante, nos portos da Região Autónoma da Madeira e dos Açores.

“O sindicato, com o qual estamos solidários nas suas reivindicações, mostrou-se sensível à dependência do abastecimento, por via marítima, das duas regiões autónomas, suspendendo a greve nos portos das Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira. Desta forma fica garantido, não apenas o abastecimento com os navios de mercadorias, num período em que as famílias preparam já o natal, como fica também garantida a operação dos navios de cruzeiro, o que é de extrema importância para a região”, disse o secretário regional da Economia, Rui Barreto.

“Esta decisão é ainda mais relevante, numa altura em que a Madeira tem maior número de escalas e maior movimento, mas também a poucos dias do porto do Funchal ter sido distinguido com o prémio internacional de ‘Melhor Destino de Cruzeiros da Europa’, um galardão que só foi possível alcançar com o trabalho de todos, incluindo os trabalhadores portuários, a Administração de Portos da Madeira (APRAM), bem como os agentes de navegação e operadores turísticos”, acrescentou o governante.

O Governo Regional diz que no ofício que foi enviados aos executivos regionais da Madeira e dos Açores, é explicado que a decisão de suspender a greve resulta das “reuniões que tiveram lugar a 25 de novembro, patrocinadas pela Direção Regional de Qualificação Profissional e Emprego dos Açores e pela Direção Regional do Trabalho e da Ação Inspetiva da Madeira”.

Recomendadas

Madeira: PCP reclama desenvolvimento e justiça social para zonas altas

Herlanda Amado referiu que não tem existido um verdadeiro investimento para garantir a qualidade de vida e segurança de quem vive nestas localidades, salientando que os problemas sociais têm-se agravado.

Madeira: Retribuição mínima mensal de 785 euros aprovada na especialidade

O diploma que fixa a retribuição mínima mensal, na Madeira, em 785 euros segue para votação final global. Em breve entrará em vigor na Região.

Madeira: Comissão de inquérito ao favorecimento de grupos económicos e ‘obras inventadas’ tomou hoje posse

Os membros da comissão têm até ao dia 7 de fevereiro para apresentar as propostas de metodologia de trabalho. A primeira reunião foi agendada para o dia 9 de fevereiro, e visa analisar as sugestões dos diferentes partidos na condução dos trabalhos desta comissão que vai investigar o alegado “favorecimento a grupos económicos e ‘obras inventadas’”.
Comentários