Governo dá mais sete meses aos intermediários de crédito

Segundo as estimativas da ACAP e da ASFAC, só 10% das empresas de crédito ao consumo tinham autorização do Banco de Portugal, tendo pedido ao Executivo um alargamento do prazo, pelo meno, até ao final de maio.

Cristina Bernardo

Na próxima semana, o Conselho de Ministros deverá aprovar o prolongamento do prazo para autorização dos intermediários de crédito para 31 de julho de 2019, revela o “Jornal de Negócios” na edição desta terça-feira, 11 de dezembro.

Assim, em vez de o prazo transitório terminar no início do próximo ano, o Governo dá mais sete meses aos intermediários que ainda não tenham ‘luz verde’ do supervisor e que entreguem, até 31 de dezembro, o pedido ao Banco de Portugal (BdP).

Segundo as estimativas da ACAP e da ASFAC, só 10% das empresas de crédito ao consumo tinham autorização do BdP, tendo pedido ao Executivo um alargamento do prazo, pelo meno, até ao final de maio.

Relacionadas

Oito meses atrasadas, regras mais apertadas dos mercados chegam a Portugal

Lei que transpõe a diretiva europeia dos mercados financeiros entra esta quarta-feira em vigor, a par de novos regimes que limitam a comercialização de produtos complexos. O objetivo é aumentar a transparência e a proteção dos investidores.

Banco de Portugal revela que até novembro havia 3.140 pedidos de autorização para intermediários de crédito

Passa a partir de hoje a ser divulgada a lista dos intermediários de crédito que são autorizados pelo Banco de Portugal. O intermediário de crédito não está autorizado a conceder crédito, nem a intervir na comercialização de outros produtos ou serviços bancários, como, por exemplo, depósitos a prazo ou serviços de pagamento.

Banco de Portugal já registou 32 intermediários de crédito e 24 são stands de automóveis

Desde 1 de janeiro de 2018, que os intermediários de crédito estão sujeitos à supervisão do Banco de Portugal, que se comprometeu a publicar a lista de pessoas singulares e coletivas autorizadas a exercerem a atividade.
Recomendadas

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas”, afirma CEO do Access Bank

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas participarem no que acreditamos que irá gerar um valor mais forte à medida que África vai emergindo”, explicou Herbert Wigwe, CEO da Access Holding Pics, numa entrevista exclusiva para a Forbes África Lusófona.

Montepio vende Finibanco Angola a grupo da Nigéria

O Acess Bank é uma entidade detida a 100% pela Access Holdings Plc (Access Corporation), um banco comercial que opera através de uma rede de mais de 700 balcões e pontos de atendimento, abrangendo 3 continentes, 17 mercados e 45 milhões de clientes, segundo o Montepio. Valor não foi divulgado.

Lucros do Banco de Fomento sobem 135% para 22,9 milhões de euros em 2021

“Este aumento explica-se, essencialmente, pelo crescimento do produto bancário que passou de 31,89 milhões de euros, em 2020 para 44,69 milhões de euros no ano em análise”, ou seja, subiu 40%.
Comentários