Governo dá tolerância de ponto à função pública a 26 de dezembro

Feriados do Natal e Ano Novo calham em domingos. PCP tinha pedido tolerância para trabalhadores das Lojas do Cidadão e dos serviços “nascer cidadão” nos hospitais, nos dias 24 e 31 de dezembro.

O Governo vai dar tolerância de ponto a todos os trabalhadores da função pública no dia 26 de dezembro, revelou fonte oficial da Presidência do Conselho de Ministros ao Jornal Económico.

O Partido Comunista Português (PCP)  tinha enviado ao presidente da Assembleia da República, a 15 de dezembro, uma pergunta destinada ao Governo sobre a tolerância de ponto na quadra festiva, tendo em conta que, este ano, tanto o o dia de Natal como o primeiro de Janeiro calham em domingos.

Os comunistas salientaram que, tendo isso em conta, “seria importante” conceder tolerância de ponto nos dois sábados, dias 24 e 31 de dezembro, aos trabalhadores das Lojas do Cidadão e dos serviços “nascer  cidadão” juntos dos hospitais, pois estes estão abertos ao público nesses dias. “Mas também extensíveis aos serviços que não se revestem de natureza de serviços públicos inadiáveis”, acrescentou o PCP.

No ano passado, o Governo tinha concedido tolerância de ponto nos dias 24 e 31 de dezembro à função pública.

Relacionadas

Administração central perdeu mais de três mil funcionários este ano

Durante a Comissão Parlamentar de Trabalho e Segurança Social, Mário Centeno revelou que a administração pública central perdeu 3.279 postos de trabalho em 2016.

Novas regras: Grávidas e idosos podem passar à frente nas filas

A legislação que define as novas regras do atendimento prioritário entra em vigor dois dias depois do Natal e aplica-se aos serviços públicos e privados.
Recomendadas

Cinco milhões para ações de emergência na serra da Estrela até final do ano

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, disse que o Fundo Ambiental disponibiliza, até ao final do ano, cerca de cinco milhões de euros para ações de emergência.

Costa Silva: Próximos anos não vão ser “cor-de-rosa” para a economia portuguesa

António Costa Silva, ministro da Economia, afirma que “não é com receitas do passado que vamos resolver os problemas”, defendendo que “para resolver os problemas de curto prazo, precisamos de uma visão de longo prazo”.

Dionísio Pestana pede reforma dos impostos como apoio às empresas

O presidente do Grupo Pestana afirma não precisar de ajudas diretas, perante o cenário de incerteza, mas pede ao Governo que avance com uma reforma nos impostos, apontando para a TSU.
Comentários