Governo de Espanha prepara “ofensiva fiscal” com aumento das contribuições sobre o trabalho em 2019

O objetivo prioritário do Executivo do PSOE, liderado por Pedro Sánchez, consiste em incrementar a receita fiscal. No derradeiro Conselho de Ministros de 2018 foi aprovado um pacote de medidas ao nível laboral e social, com especial incidência nos rendimentos dos trabalhadores.

O Governo de Espanha está a preparar uma “ofensiva fiscal” baseada no aumento das contribuições sobre o trabalho, noticiou o jornal “El Economista”. No último Conselho de Ministros do ano de 2018, o Executivo do PSOE aprovou um pacote de medidas ao nível laboral e social, com especial incidência nos rendimentos dos trabalhadores.

Essas medidas são consideradas como “urgentes” pelo Governo liderado por Pedro Sánchez, cujo objetivo prioritário consiste em incrementar a receita fiscal. Segundo o jornal “El Economista”, uma das medidas visa estabelecer um aumento das bases máximas de contribuição em 7% no regime geral dos trabalhadores por conta de outrem, já no próximo ano.

O aumento em 7% das bases máximas de contribuição dos trabalhadores, a confirmar-se, deverá gerar cerca de 700 milhões de euros adicionais em receitas fiscais. Por outro lado, deverá representar um aumento de 1.500 milhões de euros nas contribuições das empresas para a Segurança Social. O Governo também aprovou um decreto que aumenta em 1,25% a base mínima de contribuição dos trabalhadores independentes.

Recomendadas

Ministra sinaliza que trabalhadores que recebem salário mínimo não terão perda de poder de compra em 2023

Vem aí uma “negociação intensa”, antecipou a ministra do Trabalho, à saída da reunião em que apresentou aos parceiros sociais as propostas do Governo para o acordo de rendimentos. Entre elas, está a vontade que o salário mínimo suba mais do que a inflação.

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.
Comentários