Governo de Portugal envia condolências sobre mortes nas Filipinas

Já tinham sido contabilizadas pelo menos 68 mortes e cerca de 17 pessoas desaparecidas.

O governo português diz estar a acompanhar com grande preocupação e com profundo pesar os danos provocados pela tempestade Usman, nas Filipinas, que já provocou pelo menos 68 mortes e cerca de 17 pessoas desaparecidas, devido a inundações de deslizamentos de terras provocadas pela tempestade tropical.

Em comunicado o ministério dos Negócios Estrangeiros apresentou ainda as suas condolência tanto ao governo das Filipinas como o seu povo, e “em particular aos familiares das vítimas” desta catástrofe.

De referir que o diretor da Proteção Civil da região de Bicol, uma das áreas afetadas pela tempestade tropical, já tinha referido que existia possibilidade de o número de pessoas afetadas por esta catástrofe poder aumentar tendo em conta que existiam muitas áreas onde ainda não se tinha alcançado.

Recomendadas

Ameaça nuclear de Putin “deve ser levada a sério”, alerta analista

“Estamos a abordar uma situação considerada impensável. Uma nova realidade”, vincou Eugene Rumer, ex-oficial dos serviços de informações para a Rússia e Eurásia no Conselho de Inteligência Nacional dos Estados Unidos e diretor do programa Rússia e Eurásia do Carnegie Endowment Endowment for International Peace.

Eleições em São Tomé. Patrice Trovoada exorta primeiro-ministro a reconhecer a derrota

O presidente da Ação Democrática Independente (ADI), partido mais votado nas legislativas de São Tomé e Príncipe, exortou hoje o primeiro-ministro, Jorge Bom Jesus, a reconhecer a derrota do MLSTP/PSD “o mais rapidamente possível” para apaziguar o clima social.

CPLP e comunidade da África Central negoceiam cooperação política e de formação em português

A Comunidade Económica dos Estados da África Central e a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) discutiram hoje formas de cooperação no domínio político, desenvolvimento da língua portuguesa e comissões de observação eleitoral, referiram responsáveis das organizações.
Comentários