Governo de São Tomé nomeia novo governador do Banco Central

Américo d’Oliveira dos Ramos sucede a Américo Soares de Barros. Quase duas dezenas de altos funcionários públicos foram igualmente exonerados e substituídos pelo conselho de ministros são-tomense, que esteve reunido quarta e quinta-feira, numa lista encabeçada pelo secretário-geral de Segurança Interna, Raúl Costa Cravid.

O Governo são-tomense nomeou esta quinta-feira um novo governador do Banco Central de São Tomé e Príncipe, Américo d’Oliveira dos Ramos, exonerando do cargo Américo Soares de Barros e restante equipa de direção do banco central.

Américo Ramos foi ministro das Finanças do Governo de Patrice Trovoada entre 2014 e 2018 e esteve detido por cerca de três meses em 2019, acusado da prática dos crimes de participação económica em negócios, enriquecimento ilícito, corrupção passiva para ato ilícito e branqueamento de capitais, que o Ministério Público viria a arquivar em julho desse ano por “inexistência de indícios criminais”.

Em causa estava um empréstimo de 30 milhões de dólares (28,5 milhões de euros, ao câmbio atual) do China International Fund, e o empréstimo de 17 milhões de dólares (16,15 milhões de euros) do Fundo do Kuwait, para a requalificação do Hospital Ayres de Menezes, na capital são-tomense, ambos acordados durante o Governo liderado por Patrice Trovoada (2014-2018).

Quase duas dezenas de altos funcionários públicos foram igualmente exonerados e substituídos pelo conselho de ministros são-tomense, que esteve reunido quarta e quinta-feira, numa lista encabeçada pelo secretário-geral de Segurança Interna, Raúl Costa Cravid.

O Governo de Patrice Trovoada “rasgou” ainda um contrato de serviço público assinado com duas empresas para concessão de nacionalidade são-tomense por investimento, alegando que o mesmo tinha passado ao lado de tramitação jurídica obrigatória e levantava “sérias suspeitas de crime de corrupção, participação económica em negócio, tráfico de influência e branqueamento de capital”, de acordo o comunicado do Conselho de Ministros.

Recomendadas

Presidente da Guiné-Bissau confiante na criação da moeda de países do oeste africano até 2027

O presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, afirmou hoje estar confiante na criação da moeda única da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, denominada Eco, em 2027 e admitiu ser normal as reservas de alguns países.

Mali. ONU lança apelo por 688 milhões de euros para ajudar 5,7 milhões de pessoas

A Organização das Nações Unidas (ONU) lançou hoje um apelo por 751 milhões de dólares (688 milhões de euros) para dar resposta às necessidades urgentes de 5,7 milhões de pessoas no Mali.

FMI apoia Guiné-Bissau a redigir o novo regime de isenções fiscais

A missão liderada por David Baar, economista sénior do Departamento de Assuntos Fiscais do FMI, vai permanecer no país até sexta-feira e na segunda-feira já esteve reunida com os secretários de Estado do Tesouro, Orçamento e Assuntos Fiscais e os diretores-gerais das Alfândegas, das Contribuições e Impostos e da Previsão e Estudos Económicos.
Comentários