Governo destaca recorde do turismo em julho

Rita Marques salientou que os números evidenciam que o setor do turismo é, hoje, novamente, um motor imprescindível na economia nacional.

Cristina Bernardo

A secretária de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, Rita Marques, destacou hoje o recorde do turismo em julho, classificando-o como o melhor mês de sempre em número de hóspedes e de dormidas, e reflexo da competitividade do país.

De acordo com as estimativas rápidas do Instituto Nacional de Estatística (INE), divulgadas na quarta-feira, face a julho de 2019, mês pré-pandémico, registou-se em julho aumentos de 6,3% nos hóspedes (mais 179,8 mil hóspedes) e de 4,8% nas dormidas (mais 397,2 mil dormidas).

“As nossas empresas estão a responder à procura após dois anos muito sofridos e, hoje, Portugal volta a destacar-se como um dos destinos mais competitivos internacionalmente”, afirmou a governante, em comunicado hoje divulgado.

Rita Marques salientou ainda que estes números evidenciam que o setor do turismo é, hoje, novamente, um motor imprescindível na economia nacional.

A estimativa do INE regista 3.029,1 mil hóspedes e 8.628,4 mil dormidas no alojamento turístico em julho, quando em julho de 2021 tinham sido 1.633,8 mil hóspedes (mais 85,4%) e 4.538,6 mil dormidas (mais 90,1%).

Do total de dormidas, 2.906 foram de residentes, mais 9,1% do que em julho de 2021, e 5.722 de não residentes, traduzindo um crescimento homólogo de 205,2%.

A quota de dormidas de não residentes, que era de 41,3% em julho de 2021, passou para 66,3%, o que Rita Marques considera traduzir uma “reposição da estrutura natural do mercado” turístico português.

Recomendadas

Ministra sinaliza que trabalhadores que recebem salário mínimo não terão perda de poder de compra em 2023

Vem aí uma “negociação intensa”, antecipou a ministra do Trabalho, à saída da reunião em que apresentou aos parceiros sociais as propostas do Governo para o acordo de rendimentos. Entre elas, está a vontade que o salário mínimo suba mais do que a inflação.

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.
Comentários