Governo destina mais de 450 milhões para modernização das forças de segurança

Investimentos serão realizados entre 2017 e 2021 e têm um valor estimado de 454 milhões de euros.

Hugo Correia/Reuters

Ao discursar na cerimónia de inauguração do novo quartel da GNR de Mangualde, António Costa considerou que “quer a edificação de novos equipamentos, quer a recuperação de outros já existentes, são um fator relevante de desenvolvimento local e regional e um sinal indelével de equidade territorial”.

A aprovação de “uma proposta de lei de programação de infraestruturas e equipamentos para as forças e serviços de segurança sob a tutela do Ministério da Administração Interna” possibilitou “estabelecer um programa de investimentos na modernização e operacionalidade das instalações, sistemas e tecnologias de informação e comunicação, veículos, armamento e outro equipamento indispensável à prossecução dos serviços” por elas desenvolvidos, explicou.

Segundo António Costa, no que respeita às infraestruturas, este programa de modernização visa “dotar as forças e serviços de segurança com instalações adequadas às suas reais necessidades, garantindo as indispensáveis condições de dignidade” a todos que precisam dos serviços ali prestados.

O governante lembrou a importância de Portugal continuar a ser considerado “um dos países mais seguros”, porque isso tem um “valor económico imaterial absolutamente determinante para atividades como o turismo” e “a atração do investimento estrangeiro”.

Recomendadas

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.
Comentários