Governo dos Estados Unidos arrisca ficar sem dinheiro esta segunda-feira. Decisão está na mão de Trump

A ameaça do presidente ainda em funções de não assinar o pacote de despesas já aprovado pelo Congresso no valor de 1,8 biliões de euros já encerrou um programa de emergência de apoio ao desemprego e pode parar parcialmente o governo federal.

O governo norte-americano corre o risco de ficar sem dinheiro a partir da meia noite desta segunda-feira, 28 de dezembro, caso Donald Trump concretize a ameaça de não assinar um pacote de despesas no valor de 1,8 biliões de euros que já foi aprovado pelo Congresso, conta a agência “Reuters” este domingo, 27 de dezembro.

A ameaça do presidente ainda em funções de não assinar este pacote já levou ao encerramento de um programa de emergência de apoio ao desemprego e pode parar de forma parcial o governo federal norte-americano. Este pacote prevê 727 mil milhões de euros no combate ao coronavírus e 1,1 biliões de euros para manter as operações regulares do governo durante o ano fiscal.

Caso Donald Trump não assine o documento, o Congresso vai necessitar de aprovar um projeto de lei provisório de financiamento que o ainda presidente estará disposto a assinar para manter as agências federais em pleno funcionamento.

Se a Casa Branca e o Congresso não chegarem a um acordo sobre um plano de gastos as consequências poderiam ser dramáticas para várias áreas da sociedade norte-americana.

No caso da assistência económica para combater a pandemia, e de acordo com a legislação do país, seriam distribuídos cheques de estímulo de quase 500 milhões de euros a americanos em dificuldades. Olhando para as vacinas, o governo já comprou 400 milhões de doses da Moderna e Pfizer, o suficiente para 200 milhões de pessoas, mas precisa de fundos adicionais para comprar mais doses.

Os estados norte-americanos receberam perto de 280 milhões de euros do governo para ajudar a compensar os custos que suportaram com o lançamento da vacina, mas enfrentam um déficit de 6,5 mil milhões de euros. Uma paralisação interromperia os planos do Congresso de distribuir os fundos para compensar esse déficit.

Relacionadas

Biden alerta para “consequências devastadoras” se Trump não assinar plano de estímulo

O presidente eleito dos Estados Unidos alertou para as “consequências devastadoras” para milhões de norte-americanos em dificuldades se Donald Trump não assinar o pacote de relançamento económico.

Trump veta lei de defesa nacional e arrisca paralisação do Governo central

Cumprindo uma das suas inesperadas ameaças recentes, o presidente ainda em exercício vetou uma lei de defesa nacional que tem passado com apoio bipartidário desde 1961 e arrisca agora um encerramento do estado federal, numa altura em que arrancam as campanhas de vacinação no país mais afetado pela Covid-19 do mundo. O Congresso deverá sobrepor-se ao veto a tempo de evitar este desfecho.

Presidente norte-americano veta e devolve ao Congresso diploma sobre orçamento do Pentágono

“Infelizmente, este projeto-lei não incluiu medidas críticas para a segurança nacional. Vai contra os esforços do meu Governo para colocar os Estados Unidos em primeiro lugar na segurança nacional e política externa”, atentou o presidente cessante, Donald Trump.
Recomendadas

Guterres condena “veementemente” golpe de Estado no Burkina Faso

O secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou este sábado “veementemente”, num comunicado, “qualquer tentativa de tomada do poder pela força das armas” no Burkina Faso, um dia após um novo golpe de Estado no país, o segundo em oito meses.

Manifestantes denunciaram repressão violenta sobre ativistas no Irão

Milhares de manifestantes em várias universidades iranianas e em vários países protestaram este sábado contra a repressão sobre movimentos de protesto pela morte de Mahsa Amini, a jovem acusada de violar o código de indumentária da República Islâmica.

Bolsonaro agradece apoio de líderes europeus de extrema-direita, entre eles André Ventura

O presidente Jair Bolsonaro, que pretende ser reeleito no domingo, agradeceu este sábado as mensagens de apoio que recebeu de líderes da extrema-direita da Europa, como o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, ou o líder do Chega, André Ventura.
Comentários