Governo estabelece regras para antecipar fundos da bazuca europeia

As antecipações de fundos têm como limite 1,2 mil milhões de euros e vão ser financiadas por Operações Específicas de Tesouro.

O Governo publicou esta quinta-feira, 4 de março, um conjunto de medidas que estabelecem os procedimentos de antecipação de fundos europeus de inscrição orçamental e de assunção de encargos plurianuais, do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e da Assistência da Recuperação para a Coesão e os Territórios da Europa (REACT-EU).

No documento publicado em Diário da República, o executivo de António Costa refere que “a célere execução do PRR, bem como da Assistência da Recuperação para a Coesão e os Territórios da Europa (REACT-EU) são determinantes”. Tendo em conta a urgência, “o Orçamento do Estado para 2021 estabeleceu a possibilidade de antecipação de fundos relativamente aos instrumentos financeiros enquadrados no PRR e no REACT-EU e respetivo mecanismo de controlo”. As antecipações de fundos têm como limite 1,2 mil milhões de euros e vão ser financiadas por Operações Específicas de Tesouro.

A portaria n.º 48, assinada pelo ministro de Estado e das Finanças, João Leão e o ministro do Planeamento, Ângelo Nelson de Souza, define que “podem beneficiar do mecanismo de antecipação de fundos, de autorização orçamental e de assunção de encargos plurianuais, medidas de política ou investimentos”. Será igualmente preciso estar inscrito no PRR e REACT-EU ou ter “propostas já submetidas pelas entidades portuguesas à Comissão Europeia em negociação informal ou formal”.

O pedido deve conter os seguintes elementos: “a descrição da medida de política ou do investimento, a identificação da referência da sua inscrição no programa em causa, a indicação do seu custo, o encargo plurianual, se aplicável, a programação financeira no ano de 2021 para efeitos de inscrição orçamental, a programação financeira plurianual dos anos subsequentes e a aprovação do governo responsável pela área setorial”.

Posto esta fase, “as entidades responsáveis pela gestão dos programas ou a Agência para Desenvolvimento e Coesão (Agência, I. P), consoante a entidade à qual tenha sido formulado o pedido, confirmam, no prazo de 10 dias úteis, a potencial elegibilidade das medidas de política ou dos investimentos”, explica o Governo. Depois, o pedido instruído em conformidade é submetido para decisão dos membros do Governo responsáveis pelas áreas das finanças e do planeamento.

Quanto à regularização da antecipação dos fundos, a portaria nº 48 prevê que “após a aprovação a nível europeu dos instrumentos e logo que os mesmos estejam operacionalizados, os organismos executores e a Agência, I. P., regularizam todas as operações de antecipação de fundos”, através de transferência para o sistema de gestão e controlo da entidade gestora do PRR e do REACT-EU.

As medidas estabelecidas vão vigorar até à aprovação a nível europeu dos instrumentos constantes e da respetiva operacionalização.

 

Relacionadas

PRR: “Peca por falta de profundidade e ambição” para a Administração Pública, diz Fesap

O Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) “tem de ser consequente nos salários, nas carreiras e no sistema de avaliação da Administração Pública”, defende a Federação de Sindicatos de Administração Pública na análise ao documento apresentado pelo governo, cuja consulta pública terminou a 1 de março, tendo recebido perto de dois mil comentários para mudar a bazuca europeia.

PRR: Bruxelas “preocupada” com eficiência dos países para executar verbas da recuperação

A comissária europeia da Coesão e Reformas, Elisa Ferreira, disse hoje que Bruxelas está “preocupada” com “a eficiência” dos países para executarem verbas comunitárias, nomeadamente as da recuperação, exortando a investimentos na administração pública para garantir boa gestão.

“Turismo não existe no PRR. Não é possível dispensar contributo deste setor”, diz Fórum para a Competitividade

Entidade liderada por Pedro Ferraz da Costa critica “total ausência” do turismo Plano de Resiliência e Recuperação (PRR). Um sector, diz, que não é possível dispensar o seu contributo para o emprego e para as exportações.
Recomendadas

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Dois terços dos municípios aplicam derrama de IRC sendo 127 com taxa máxima

Dois terços dos municípios portugueses vão cobrar derrama de IRC às empresas instaladas nos seus concelhos, havendo 127 que aplicarão o valor máximo de 1,5%, segundo a tabela de taxas agora divulgada pelo fisco.

Governo aprova extinção do fundo de pensões da Caixa

A extinção do fundos de pensões da CGD já está aprovada. Os beneficiários não serão, contudo, prejudicados, já que as responsabilidades passam para a CGA.
Comentários