Governo estrangula políticas de transporte das cidades, acusa Rui Moreira

O presidente da Câmara do Porto acusou o Governo de ter uma “visão muito restrita” e uma política “estranguladora das autarquias” sobre a questão dos transportes, ignorando a posição dos municípios e condicionando o futuro da mobilidade das cidades. “Gostaríamos de ir muito mais longe. Infelizmente, o Governo decidiu e tem em curso um processo […]

O presidente da Câmara do Porto acusou o Governo de ter uma “visão muito restrita” e uma política “estranguladora das autarquias” sobre a questão dos transportes, ignorando a posição dos municípios e condicionando o futuro da mobilidade das cidades.

“Gostaríamos de ir muito mais longe. Infelizmente, o Governo decidiu e tem em curso um processo de alienação dos transportes coletivos que não olha minimamente às funções inovadoras que nós queremos”, disse hoje Rui Moreira à agência Lusa, em Barcelona.

O autarca acrescentou que melhorar as condições de mobilidade é hoje – a par da água – um dos principais desafios das cidades, algo que, considerou, o Governo está a ignorar.

“Há da parte do Governo uma visão muito restrita da questão dos transportes. Uma visão estranguladora das autarquias. Quer Lisboa quer o Porto manifestaram interesse em participar num debate vivo com o Governo sobre esta matéria. Não se tem conseguido”, alertou.

Rui Moreira está em Barcelona para participar no “Smart Cities World Congress”, considerado um dos principais eventos mundiais sobre cidades e mobilidade inteligente.

Na sua quarta edição, o encontro, que hoje começou, reúne especialistas mundiais e autarcas de 50 cidades – no total estão representadas mais de 400 -, esperando-se 9 mil visitantes, 3 mil delegados e mais de 250 empresas.

A participação portuguesa inclui uma representação do Centro para a Excelência e Inovação na Indústria Automóvel (CEIIA) que, no seu stand, está a apresentar o sistema MOBI.ME e a sua utilização em diferentes iniciativas mundiais.

Segundo explicou Rui Moreira, um estudo encomendado à Universidade Católica e recebido na sexta-feira, “demonstra que o modelo de concessão de transportes no Porto aponta para uma perda de qualidade nos transportes”.

Acusando o Governo de lidar com o assunto “exclusivamente sob o ponto de vista economicista, sem olhar para as externalidades”, Moreira recordou o impacto negativo de uma cidade que não tem transportes públicos e onde as pessoas não se podem movimentar facilmente.

“Temos vindo a notar um aumento do transporte individual por causa de não haver transporte público. O Governo está a tentar equacionar esta rede como ela existe, piorando até a frequência”, disse, afirmando que uma cidade só evolui “no conceito da proximidade”.

“Conseguimos atrair pessoas para a cidade convencendo-os de que a distância é curta. Mas se essa distância tem de ser feita no transporte individual, com parqueamento, consumo de gasolina, maçadas, incómodos, estamos a andar a contrário do que devem andar as cidades”, disse.

No Porto, disse, um dos objetivos é fechar mais ruas ao trânsito automóvel, com “enorme sucesso” em experiências recentes de pedonalização como a da Rua das Flores, fomentando os corredores de autocarros.

“Gostaríamos de aumentar os corredores autocarros mas só se houver uma oferta de transporte coletivo. Não podemos estar a criar corredores ‘bus’ se não houver autocarros”, disse.

Para Rui Moreira, o debate é também prejudicado pela Associação Nacional de Municípios (ANMP), que tem “outras preocupações e outras agendas”, citando como exemplo a falta de debate sobre os fundos estruturais europeus.

“Chamei a atenção em janeiro para o facto de haver inércia e indefinição sobre esses fundos. Fui muito criticado pelo Governo, por outros autarcas. Mas passaram vários meses e hoje ainda não sabemos, não discutimos coisas tão importantes como, por exemplo, como vamos utilizar esses recursos”, disse.

O metro do Porto “é um projeto que não deveria deixar de estar inscrito e não está. São estes aspetos estratégicos que deveriam estar em debate mas ficam longe da discussão nas áreas metropolitanas, na ANMP e no Governo central”, disse Rui Moreira.

OJE/Lusa

Recomendadas

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta semana

A semana arranca com os mercados a reagir à vitória do partido extrema-direita liderado por Giorgia Meloni em Itália. Esta segunda-feira, Christine Lagarde fala no Parlamento Europeu e, por cá, o Instituto Nacional de Estatística divulga as tábuas da mortalidade em Portugal, referentes ao período pandémico. Conheça a agenda da semana.

Cheque-família começa a ser pago a partir de 20 de outubro, anuncia Marques Mendes

No seu espaço habitual de comentário ao domingo no Jornal da Noite da Sic, Marques Mendes assegurou que este apoio, anunciado pelo Governo a 5 de setembro, vai começar a chegar às contas bancárias das famílias a partir do dia 20 do próximo mês.

Comissão Europeia diz que Portugal é “moderadamente inovador”

O país encontra-se no grupo dos países moderadamente inovadores, passando da 19ª para a 17ª posição entre os 27 Estados-Membros, segundo os dados da Comissão Europeia tornados públicos pela ANI (Agência Nacional de Inovação).