Governo “foi até onde podia ir” nos aumentos dos salários da Função Pública, diz secretário de Estado

Questionado pelos jornalistas sobre a indignação dos sindicatos com o valor apresentado pelo executivo, José Couto afirmou que 0,3% “é aquilo que o Governo considera que está nas possibilidades do enquadramento financeiro e orçamental”.

O secretário de Estado da Administração Pública, José Couto, garantiu hoje que o Governo “foi até onde podia ir” em matéria de atualização dos salários com a proposta de 0,3% e destacou o esforço do executivo de “regressar à normalidade”.

“A proposta do Governo foi até onde podia ir, tendo em conta que o descongelamento das carreiras, com o pagamento a 100% das valorizações remuneratórias resultantes tem um impacto nas contas públicas em matéria de massa salarial de 527 milhões de euros”, disse o governante aos jornalistas no final da reunião suplementar que deu por encerrada as negociações com os sindicatos da Função Pública, em Lisboa.

Questionado pelos jornalistas sobre a indignação dos sindicatos com o valor apresentado pelo executivo, José Couto afirmou que 0,3% “é aquilo que o Governo considera que está nas possibilidades do enquadramento financeiro e orçamental”.

Relacionadas

“É um insulto”. Sindicato da Função Pública abandona negociações com o Governo

A Frente Comum abandonou hoje as negociações indignada com aumentos propostos pelo Executivo de António Costa.

Valorização salarial da função pública custa 715 milhões no próximo ano

Este valor significará um aumento médio por trabalhador de 3,2% em 2020, segundo o Ministério da Modernização do Estado e da Administração Pública.

Governo esclarece que aumentos da função pública serão de 0,3% em 2020

“A proposta considera como referencial para aumentos salariais de 2020 a taxa de inflação observada até novembro de 2019 (de 0,3%, para todos os trabalhadores)”, avança o Ministério das Finanças.
Recomendadas

Costa Silva: Próximos anos não vão ser “cor-de-rosa” para a economia portuguesa

António Costa Silva, ministro da Economia, afirma que “não é com receitas do passado que vamos resolver os problemas”, defendendo que “para resolver os problemas de curto prazo, precisamos de uma visão de longo prazo”.

Dionísio Pestana pede reforma dos impostos como apoio às empresas

O presidente do Grupo Pestana afirma não precisar de ajudas diretas, perante o cenário de incerteza, mas pede ao Governo que avance com uma reforma nos impostos, apontando para a TSU.

Metade do tráfego aéreo nacional está fora de Lisboa, lembra Secretária de Estado do Turismo

A secretária de Estado do Turismo pediu aos empresários que não baixem braços enquanto continua a discussão em torno do novo aeroporto para a capital, elogiando ainda o trabalho de angariação de rotas que foi feito durante a pandemia pelo Turismo de Portugal.
Comentários