Governo formaliza benefícios fiscais em troca de investimentos de 68 milhões

Estes benefícios fiscais foram concedidos a quatro empresas por apresentarem um “particular interesse para a economia nacional”.

Com vista à criação de 610 novos postos de trabalho e à manutenção dos 1.591 existentes, o Governo formalizou hoje em Diário da República, os benefícios fiscais concedidos a quatro empresas por apresentarem um “particular interesse para a economia nacional”.

Os créditos a título de imposto sobre o IRC foram aprovados em conselho de ministros a 28 de novembro, com as empresas a realizarem investimentos de 68 milhões de euros.

As empresas que se comprometem a fazer os investimentos são a Panpor Produtos Alimentares, a Hutchinson Borrachas de Portugal, a Eurostyle Systems Portugal Indústria de Plásticos e de Borracha e a Bosch Termotecnologia.

“O investimento produtivo em Portugal, nos mais variados setores, nomeadamente na indústria transformadora, é essencial ao relançamento da economia”, conforme destaca o Governo.

Algumas das empresas selecionadas para receber estes benefícios fiscais têm especial importância no interior de Portugal, como é o caso da ‘Hutchinson Borrachas de Portugal’, que com uma das suas fábricas em Portalegre tenta amenizar os efeitos da desertificação ao ser uma das maiores fontes de emprego.

Recomendadas

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.

Governo recupera proposta para aumentar valor das horas extraordinárias

Em nove páginas, o Governo apresenta mais de 20 propostas aos parceiros sociais, no âmbito do acordo de rendimentos. Quer reforçar as horas extra, valorizar salários, simplificar as obrigações e baixar o IRC, mas não de modo transversal, como defendeu o ministro da Economia.
Comentários