Governo francês diminui expectativas de crescimento para 2019

Em entrevista ao canal de televisão francês BFM TV, o ministro francês Bruno Le Maire sublinhou que o novo valor anunciado coincide com as previsões dos especialistas para o que resta da legislatura.

O ministro da Economia e das Finanças francês, Bruno Le Maire, anunciou esta segunda-feira que reviu as expectativas de crescimento previstas para 2019, que se vão situar nos 1,3%, um ponto percentual abaixo das anteriores previsões, segundo a BFM TV.

Em entrevista ao canal de televisão francês, o ministro francês Bruno Le Maire sublinhou que o novo valor anunciado coincide com as previsões dos especialistas para o que resta da legislatura.

Quanto ao Produto Interno Bruto (PIB) de França, as principais instituições – Banco de França, Instituo Nacional de Estatística e Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico – preveem que aumente em 1,3%.

Recomendadas

Conferência “Poupar e Investir para um Futuro Melhor” a decorrer em Lisboa, com o apoio do Jornal Económico

A conferência é organizada pela Optimize Investment Partners, sociedade gestora portuguesa que disponibiliza uma gama de soluções de investimento para diversos perfis de risco e objetivos. Moderada por Nuno Vinha, subdiretor do Jornal Económico, consiste numa palestra de 30 minutos de cada um dos quatro oradores, um coffee break e uma mesa redonda com espaço para perguntas e respostas e interação com a plateia.

SIBS: mais de um quinto do valor gasto na Black Friday foi em compras online

O comércio online continua a ganhar peso nas compras em Portugal. Dados da SIBS revelam que 22% do valor gasto na última Black Friday foi em compras online, um peso que bate por muito os 18% do ano passado.

União Europeia, G7 e Austrália limitam barril de petróleo russo a 60 dólares

Os 27 estados-membros da UE chegaram a acordo, esta sexta-feira, no estabelecimento de um teto máximo para o preço do petróleo russo nos 60 dólares por barril. Os sete países mais industrializados do mundo (G7) e a Austrália juntam-se na decisão.
Comentários