Governo francês quer défice próximo de 3%

O ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire, assegurou esta quarta-feira que pretende que o défice se aproxime “o mais possível de 3%” do Produto Interno Bruto (PIB), apontando alternativas para compensar as medidas sociais anunciadas pelo presidente Emmanuel Macron.

O ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire, assegurou esta quarta-feira que pretende que o défice se aproxime “o mais possível de 3%” do Produto Interno Bruto (PIB), apontando alternativas para compensar as medidas sociais anunciadas pelo presidente Emmanuel Macron.

“Quero que sejam tomadas todas as medidas necessárias para nos aproximar o mais possível dos 3%, ou seja, dos nossos compromissos europeus”, afirmou o ministro numa audição no Senado, falando num esforço das empresas e numa taxa para os grandes grupos tecnológicos norte-americanos.

Na terça-feira, um outro ministro francês, Gérald Darmanin, tinha antecipado que o défice poderia ficar em 3,4% em 2019, após as medidas anunciadas por Macron em resposta à contestação social dos chamados “coletes amarelos”, incluindo um aumento de 100 euros no salário mínimo.

O porta-voz do executivo Benjamin Griveaux indicou que o custo das iniciativas previstas vai situar-se entre oito mil milhões e 10 mil milhões de euros.

Hoje, o comissário europeu dos Assuntos Económicos garantiu que França não receberá tratamento preferencial relativamente a Itália em caso de derrapagem do défice.

Embora tenha rejeitado um tratamento diferenciado para França, Pierre Moscovici lembrou que as regras do Pacto de Estabilidade e Crescimento autorizam em alguns casos derrapagens orçamentais.

Um desvio “temporário, limitado e excecional” das regras europeias que limitam o défice público de um país a 3% do PIB é “concebível”, desde que a derrapagem não aconteça durante dois anos consecutivos e não exceda os 3,5%, observou.

Relacionadas

Respostas Rápidas. Macron está a agradar aos ‘coletes amarelos’ e a comprometer o défice?

A Bloomberg fala de um impacto que pode chegar aos 10 mil milhões de euros, o que implica mais 0,6 pontos percentuais de défice orçamental – o que, a verificar-se, levaria o país a furar o teto de 3% do défice, atirando para uns estratosféricos 3,4%, em vez dos programados 2,8%.

Uma revolução francesa

Os coletes amarelos representam uma revolta contra toda e qualquer autoridade política, e de resistência à mudança do estado de coisas, seja qual for o sentido dessa mudança.
Recomendadas

FMI estima que a espiral de salários-preços ainda é um “risco limitado”

A ausência de uma espiral preços-salários não deve levar os líderes a não agirem para combater a inflação persistente, considera ainda o Fundo Monetário Internacional.

Compra de carros de luxo pela TAP “é um problema de bom senso”, diz Marcelo Rebelo de Sousa

“Já falei em relação a várias entidades públicas no passado e em relação à distribuição de dividendos e em relação aos salários e entendo que quando se está num período de dificuldade deve fazer-se um esforço para dar o exemplo de contenção”, defendeu hoje Marcelo Rebelo de Sousa.

Albergaria investe 3,7 milhões de euros na zona industrial para captar investimento e criar emprego

O município “tem realizado um forte investimento no desenvolvimento económico, dinamizando o sector empresarial e a economia local” nos últimos anos, segundo António Loureiro, Presidente da Câmara Municipal de Albergaria-a-Velha.
Comentários