Governo garante que não vai haver nenhuma “avaliação em pacote” de venda de barragens no Douro pela EDP

A EDP vendeu barragens a um consórcio francês. Governo ainda não recebeu nenhum pedido obrigatório de autorização para a operação poder avançar. Matos Fernandes diz que as barragens serão avaliadas “uma a uma”.

Ministro do Ambiente e da Ação Climática| Foto de Cristina Bernardo

A venda de seis barragens da EDP no rio Douro a um consórcio francês vai ter de ser autorizado pelo Governo. Para o negócio avançar, o pedido terá de ser avaliado pelo ministério do Ambiente, a tutela responsável pelos recursos hídricos do país.

O ministro do Ambiente e da Transição Energética veio hoje a público revelar que o pedido de autorização para a venda ter lugar ainda não foi realizado.

“As devidas autorizações não foram pedidas. Este é um negócio que tem de ser autorizado pelo Estado enquanto concedente do domínio público, neste caso dos rios. Não tem propriamente forma de interferir no negócio da venda, mas não pode transferir-se uma utilização dominial da empresa A para a empresa B sem a aprovação, o consentimento do próprio Estado, neste caso, do ministério do Ambiente, não tanto pela tutela de energia, mas pela tutela de ambiente, porque tem a responsabilidade última sobre a gestão dos recursos hídricos. Neste momento, não entrou nenhum pedido formal de autorização no ministério do Ambiente”, disse João Pedro Matos Fernandes esta sexta-feira.

“Quando [o pedido] entrar será normalmente apreciado, aliás tecnicamente pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA). Eu direi apenas que do conjunto de barragens não vai haver nenhuma avaliação do lado de cá em pacote. Não, as barragens e a sua eventual transação serão avaliadas uma a uma, de acordo com o sitio em que se localizam e com as condições específicas de exploração dessa barragem”, garantiu o ministro.

Questionado sobre se o Estado vai impor condições mínimas às empresas para o negócio poder avançar, como a manutenção de postos de trabalho, por exemplo, o ministro apontou que a avaliação do negócio pelo Estado vai ter algum grau de complexidade.

“Em primeiro lugar tem de entrar o pedido, que não há de ser só ‘pedimos que a licença que está com a empresa A, neste caso a EDP, passe para a empresa B’. Terá certamente muito mais conteúdo do que isso, essa é certamente uma preocupação das próprias empresas, nossa também, e será avaliada a seu tempo”, afirmou João Pedro Matos Fernandes.

O ministro também garantiu que do “ponto de vista da segurança energética, não há qualquer preocupação, o rio corre cá, numa só direção, não há preocupação de maior”, afirmou.

A venda das barragens da EDP a um consórcio integrado por várias empresas francesas, incluindo a energética francesa Engie, foi anunciada a 19 de dezembro. As seis barragens foram vendidas por 2,2 mil milhões de euros.

Em conferência de imprensa nesse dia, o presidente da EDP, António Mexia, garantiu que não vão haver despedimentos nas barragens vendidas.

 

Relacionadas

Fitch dá nota positiva à venda de barragens pela EDP

A agência promete rever o rating da elétrica portuguesa no início de 2020 devido a este negócio ir contribuir para a redução da dívida da EDP.

Venda das barragens “vai fortalecer perfil financeiro da EDP”, prevê Moody’s

“A alienação prevista deve permitir à EDP reforçar o seu perfil financeiro e demonstrar, em 2020, rácios mais estreitamente alinhados com as orientações para a atual classificação Baa3”, explica a agência de notação financeira norte-americana.

EDP garante que não haverá despedimentos nas seis barragens vendidas

A companhia emprega 50 trabalhadores nestas seis barragens localizadas na bacia do Douro.

Mexia diz que venda de seis barragens “mostra que a EDP está a reduzir o risco”

“Para isto contribui não só donde saímos, mas também onde entramos. E onde é que entramos? Foi no solar, foi na Colômbia, foi nos vários contratos que ganhamos na energia renovável no Estados Unidos em outubro de mais de 1.000 megawatts”, sublinhou o CEO da energética.
Recomendadas

Empresas reafirmam investimento contra riscos cibernéticos

A cibersegurança é uma prioridade para as empresas. O reforço do investimento na proteção de contra ataques mantém-se apesar da conjuntura atual marcada pela subida dos custos. 

Equinix cria fundo solidário de 50 milhões para promover a inclusão digital

A empresa de tecnologia norte-americana criou uma nova estrutura de apoio educativo. O conselho de administração da fundação irá, todos os anos, determinar o montante de doações da fundação, de modo a cobrir a concessão de contribuições ou a correspondência com as ofertas dos colaboradores.

Tecnológica portuguesa Innowave compra Cycloid

Desde 2018 que o grupo tem uma forte estratégia de M&A. “Esta aquisição é mais um passo na nossa estratégia de crescimento, materializada também na criação de centros de competência em Portugal, como é o caso de Lisboa, Porto, Coimbra, Faro e Beja”, afirmou o CEO da Innowave, Tiago Gonçalves.
Comentários