Governo garante que vai haver reforço no apoio ao investimento territorial no Portugal 2020

Apesar da polémica, o secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, Nelson de Souza, irá proceder neste evento à apresentação da reprogramação, das medidas para apoio ao investimento territorial e ao respetivo impacto nos programas operacionais, assim como as medidas de incentivo à execução.

Tiago Petinga/Lusa

O assunto tem gerado diversas polémicas nos últimos tempos, mas o governo português continua a garantir que conseguiu um reforço do apoio ao investimento territorial, com a recente aprovação da reprogramação do Portugal 2020.

É essa a razão para o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, ir presidir hoje à sessão de encerramento de uma conferência dedicada a esta questão, no Convento de São Francisco (Antiga Igreja).

A sessão de abertura, prevista para as 10h30m, deste evento deverá contar com a presença de Manuel Machado, presidente da ANMP – Associação Nacional dos Municípios Portugueses; assim como de Carlos Martins, secretário de Estado do Ambiente; e de Carlos Miguel, secretário de Estados das Autarquias Locais.

Posteriormente, o secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, Nelson de Souza, irá proceder à apresentação da reprogramação, das medidas para apoio ao investimento territorial e ao respetivo impacto nos programas operacionais, assim como as medidas de incentivo à execução.

Depois, irá realizar-se uma mesa redonda sobre “O Portugal 2020 e o investimento territorial de proximidade”, moderado pelo secretário de Estado das Autarquias Locais, a qual contará ainda com a presença de Ana Abrunhosa (programa operacional Centro 2020); Fernando Freire de Sousa (programa operacional Norte 2020); Paulo Batista Santos (presidente da Câmara Municipal da Batalha); José Maria Costa (presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo e da CIM – Comunidade Intermunicipal do Alto Minho); e Mário Fidalgo, da ADELO – Associação de Desenvolvimento Local da Bairrada e do Mondego.

 

Recomendadas

PRR, mesmo sem inflação, sofreria dos mesmos problemas

Execução da bazuca enfrentaria dificuldades com burocracia e mudanças na economia global, reforçando papel dos contabilistas.

Cabo Verde quer reforçar combate à pobreza com aumento de 25% da taxa turística

Governo liderado por Ulisses Correia e Silva prevê arrecadar 8,6 milhões de euros com o aumento da taxa, que serão canalizados para o fundo de financiamento Programa Mais, Mobilização pela Aceleração da Inclusão Social, concebido para apoiar projetos de combate à pobreza extrema e exclusão social, segundo a Forbes África Lusófona.

Receitas do turismo estão 14% acima das do pré-pandemia

Os resultados até agora obtidos são animadores, contudo a crescente subida dos preços traz alguma apreensão
Comentários